Posts com Tag ‘livro’

19388384_772618609566305_8998471054108604729_oNo próximo dia 15 de julho, a @link editora lança a coletânea de contos Primeiramente, no bar Sensorial Discos, à rua Augusta, 2389, em São Paulo, das 16 às 20 horas.

             Primeiramente reúne 17 contos, de 17 autores, todos ambientados em uma manifestação contra o governo Temer na Avenida Paulista.  Os autores, de diferentes estilos, criaram uma galeria de personagens igualmente heterogênea. Tem de catador de latinha, black block, garoto de programa, seres extraordinários, idoso com Alzheimer, militar na ativa e aposentado, gente que foi à manifestação por românticas razões pessoais, desavisados que se viram, sem querer, em meio à confusão, e ainda quem fez sua estreia em manifestações, além de personagens como uma mosca, um museu e um deus.

Organizada pelas também autoras Sonia Nabarrete e Vanessa Farias, Primeiramente conta com a participação de: Aline Viana, Fabio Mariano, Germano Quaresma, Gláuber Soares, Jorge Nagao, Kakao Braga, Luiz Bras, Manu Araujo, Marcilio Godoi, Mauricio Kanno, Melissa Suárez, Nanete Neves, Paulo Lai Werneck, Plínio Camillo e Renato Ladeia.

“Embora considerasse a reivindicação justa e em outro momento pudesse até integrar a massa, procurei me afastar da aglomeração, mas a multidão não queria se distanciar de mim. Havia muitos tipos estranhos. Um guardinha negro parecido com um capitão do mato observava o movimento com os olhos vermelhos e sangue na mão tensionada sobre o cassetete. Um catador de latas se infiltrava por entre as pessoas atracado a um saco preto como se abraçasse a sua própria vida. Um grupo carregava um boneco do Michel Temer com os caninos pronunciados e capa de vampiro. Um casal se beijava numa voracidade como se a revolução fosse das salivas e a briga hormonal”. Trecho do conto V de vendetta, de Kakao Braga, na antologia “Primeiramente.

O livro pode ser adquirido através do site da @link Editora.

Serviço

Lançamento da antologia de contos Primeiramente (14cmX21cm, 128 páginas)

Local: Sensorial Discos, rua Augusta, 2.389, Jardins, São Paulo

Metrô mais próximo: Consolação

Horário: das 16 h às 20 horas

Valor: R$38,00- Aceita todos os cartões

Anúncios

:: Por Rodrigo Ratier ::

“Dinheiro eu não tenho, mas estou aqui com uma caixa cheia de livros. Quer um?” Repeti essa oferta a pedintes, artistas circenses e vendedores ambulantes, pessoas de todas as idades que fazem dos congestionamentos da cidade de São Paulo o cenário de seu ganha-pão. A ideia surgiu de uma combinação com os colegas de NOVA ESCOLA: em vez de dinheiro, eu ofereceria um livro a quem me abordasse – e conferiria as reações.

Para começar, acomodei 45 obras variadas – do clássico Auto da Barca do Inferno, escrito por Gil Vicente, ao infantil divertidíssimo Divina Albertina, da contemporânea Christine Davenier – em uma caixa de papelão no banco do carona de meu Palio preto. Tudo pronto, hora de rodar. Em 13 oferecimentos, nenhuma recusa. E houve gente que pediu mais.

Nas ruas, tem de tudo. Diferentemente do que se pode pensar, a maioria dessas pessoas tem, sim, alguma formação escolar. Uma pesquisa do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, realizada só com moradores de rua e divulgada em 2008, revelou que apenas 15% nunca estudaram. Como 74% afirmam ter sido alfabetizados, não é exagero dizer que as vias públicas são um terreno fértil para a leitura.

Veja matéria completa em Nova Escola

Entre os dois momentos de felicidade (quando temos um sonho e quando o realizamos) há muita incerteza.

Entre os dois momentos de felicidade (quando temos um sonho e quando o realizamos) há muita incerteza.

O Dr. Jean-Louis Etienne, explorador do Pólo Norte, explica o que essas incursões nos gelos e neves lhe proporcionaram:

“Há dois grandes momentos de felicidade: quando temos um sonho e quando conseguimos concretizá-lo. Entre esse dois momentos, há uma grande dose de incerteza, uma grande vontade de desistir. Mas, temos que perseguir os sonhos até o fim. Há bicicletas abandonadas em todas as garagens porque os donos ficaram demasiado doloridos nas primeiras vezes em que a usaram. Eles não entenderam que a dor faz parte do aprendizado. Estive 1000 vezes preste a desistir, antes de atingir aquele momento de felicidade em que me esqueci do frio. Consegue-se isso na pintura ou na música, desde que se admita que, antes de podermos tocar uma sonata de Bach, temos de aprender primeiro as escalas. Só com perseverança poderemos descobrir-nos a nós próprios. Cabe a cada um de nós encontrar seu próprio Pólo.” L’Express, Paris
O relato completo sobre a aventura do Dr. Etienne está no livro: “Transantártida – A Travessia do Último Continente”, da Editora José Olympio. É um dos melhores livros sobre uma aventura na Antártica. Escrito logo após o final de uma expedição que durou seis meses, do verão de 1989 à primavera de 1990, e que percorreu 6.300 km de gelo desértico e isolamento voluntário. Jean-Louis Étienne é um dos grandes nomes da exploração moderna francesa. Médico e especialista em nutrição e biologia do esporte, participou de expedições ao Himalaia, à Groenlândia e à Patagônia. Seu maior feito foi ter se tornado, em 1986, o primeiro homem a atingir o Pólo Norte Geográfico, sozinho, sem a companhia de cães ou apoio externo.
O dr. Etiénne no Pólo Norte.O dr. Etienne no Pólo Norte.

O objetivo da expedição Transantártida foi o de alertar ao mundo sobre a riqueza da Antártica e a urgência de se proteger um dos ambientes mais puros e intocados que existe. Jean-Louis questiona o lado negativo das nações que lutam por um pedaço de terra (leia-se gelo) no único continente realmente descoberto pelo homem, em 1820, e reflete sobre a importância de se chegar a acordos diplomáticos sobre a preservação de uma área de 14 milhões de km quadrados de água doce, petróleo, gás natural e ouro.  Lembrando que todos os grandes projetos polares foram conduzidos por expedições privadas, as únicas que se dão direito a correr riscos, a Transantártida chegou onde intencionava: a travessia integral de um continente gigantesco, uma das últimas aventuras inéditas possíveis no final do século XX.