Posts com Tag ‘História’

vidro1Embora não existam dados precisos sobre sua origem, não se pode negar que o vidro foi uma das descobertas mais surpreendentes da humanidade. Arqueólogos encontram seus vestígios há 6.000 anos em terras habitadads pelos antigos egipícios, fenícios, caldeuse e outros povos da época.
Alguns autores apontam como precursores os navegantes fenícios, que ao voltarem do Egito ancoram às margens do Rio Belus, onde desembarcaram as sacas com um produto a base de carbonato ou nitrato de sódio usado para tingir a lã. Acenderam uma fogueira e colocaram ao seu redor, pedaços de natrão[carbonato de sódio] para apoiar os utensílios para o cozimento dos alimentos. Após se alimentarem foram dormir e mantiveram o fogo aceso durante a noite. Ao acordarem, em lugar dos blocos, encontraram um material brilhante e transparente que lembrava pedras preciosas, sem antes de observarem que a areia existente debaixo dos blocos tinha desaparecido. À tarde, fizeram nova fogueira e colocaram os materiais junto a fogueira e viram escorrer umlíquido incandescente que logo se solidificou. Fizeram várias tentativas e conseguiram modelar rusticamente, algumas figuras.
Outros dizem que o vidro foi descoberto pelos mercadores fenícios que atravessavam o deserto e utilizavam placas de nitrato de sódio sob as panelas para o preparo dos alimentos e perceberam no solo um material desconhecido: o vidro. Estudos apontam ainda que os primeiros objetos de vidro que se tem notícia foram encontrados dentro das piramides egípcias.
As técnicas de fabricação só se desenvolveram por volta de 100 a.C. quando os romanos começaram a utilizar o sopro, dentro de moldes, e passaram a produção em série. O ápice do processo se deu no século XII, em Veneza. Por conta de incêndios em fabriquetas de vidros, a atividade foi transferida para Murano, ilha próxima de Veneza. Lá, se desenvolveram os vidros coloridos e espelhos que até hoje garantem a fama dos cristais de murano.
Mas eram ainda em pequena escala comercial, só no século XVIII, Luiz XIV e mestres vidreiros abriram uma indústria de vidros, a Companhia Saint-Gobain, para que fossem feitos os espelhos do Palácio de Versalhes na França. A indústria se notabilizou pelo seu notável grau de perfeição . A empresa existe até hoje, e é uma das mais antigas do mundo.
Durante a Revolução Industrial o processo passou a ser mecanizado. Em 1950, a fabrica inglesa Pilkington começou a providroduzir os vidros tipo Float (planos, de excelente uniformidade e com quase nenhuma distorção óptica) que revolucionaram a tecnologia do vidro e se tornaram padrão mundial de qualidade de vidro plano.
No Brasil
A primeira oficina de vidro no Brasil foi montada por quatro artesãos que acompanhavam o príncipe Maurício de Nassau, durante as invasões holandesas entre 1642 e 1635, em Olinda e Recife (PE). Fabricava vidros para janelas, copos e frascos. Com a saída dos holandeses, a fábrica fechou.
O vidro voltou a entrar no mapa econômico do país a partir de 1810, quando, em 12 de janeiro daquele ano, o português Francisco Ignácio da Siqueira Nobre recebeu carta régia autorizando a instalação de uma indústria de vidro no Brasil. A fábrica instalada na Bahia produzia vidros lisos, de cristal branco, frascos, garrafões e garrafas. Ela entrou em operação em 1812. Em 1825, fechou em função de dificuldades financeiras.
Em 1839, um italiano, de nome Folco, funda no Rio de Janeiro a fábrica Nacional de Vidros São Roque, com 43 operários italianos e brasileiros, com fornos à candinhos e processo inteiramente manual. Sofre a concorrência das importações de produtos da Europa e sobras de consumo que são vendidas a qualquer preço. Já em 1861, a indústria vidreira brasileira apresenta os seus produtos na exposição nacional na Escola Central, no largo São Francisco, no Rio de Janeiro.
Em 1878, Francisco Antônio Esberard funda a fábrica de Vidros e Cristais do Brasil em São Cristóvão (RJ). A fábrica trabalhava com quatro grandes fornos e três menores, e com máquinas a vapor e elétrica. Fabricava vidros para lampiões, janelas, copos e artigos de mesa e importava suas máquinas da Europa para fabricar garrafas e frascos. O seu cristal era comparado ao da tradicional Bacarat. Empregava 600 pessoas entre operários e artistas do vidro. A fábrica de Vidro Esberard esteve ativa até 1940. Outra fábrica de destacada presença foi a Fratelli Vita, da Bahia, fundada em 1902, que produziu garrafas para sodas, refrigerantes, e cristais de qualidade.
Até o século XX, a produção de vidro era essencialmente artesanal, utilizando os processos de sopro e de prensagem, sendo as peças produzidas uma a uma. Foi a partir do início do século XX que a indústria do vidro se desenvolveu com a introdução de fornos contínuos a recuperação de calor e equipados com máquinas semi ou totalmente automáticas para produções em massa.
Em 1982, a indústria francesa Saint-Gobain e a inglesa Pilkington uniram suas forças para construir a primeira fábrica de vidro float do Brasil, a Cebrace, na região do Vale do Paraíba, no estado de São Paulo.
A primeira linha foi construída em Jacareí(SP) em 1982, a segunda em Caçapava(SP) em 1989, e a terceira também em Jacareí, em 1996. Em 2004, a Cebrace inaugura sua quarta linha em Barra Velha (SC).Em 2012, o C5 entra em atividade em Jacareí com a capacidade produtiva de 920 t/dia. Juntas, as cinco unidades produzem 3.600 t/dia.
Em 2013, a Cebrace inaugura a primeira linha de espelhos da América Latina capaz de produzir em jumbo e o investimento no maior coater dos grupos NSG/Pilkington e Saint-Gobain agora no Brasil, responsável pela produção de vidros de proteção solar e seletivos.
Definição
O vidro é uma substância inorgânica, homogênea e amorfa, obtida através do resfriamento de uma massa em fusão. Suas principais qualidades são a transparência e a dureza. O vidro tem incontáveis aplicações nas decoracao-da-sala-vidromais variadas indústrias, dada suas características de inalterabilidade, dureza, resistência e propriedades térmicas, ópticas e acústicas, tornando-se um dos poucos materiais ainda insubstituível, estando cada vez mais presente nas pesquisas de desenvolvimento tecnológico para o bem-estar do homem.
Qualidades
  • Reciclabilidade
  • Transparência (permeável à luz)
  • Dureza
  • Não absorvência
  • Ótimo isolador dielétrico
  • Baixa condutividade térmica
  • Recursos abundantes na natureza
  • Durabilidade
Anúncios

almanaque-1Quem nunca teve uma almanaque em suas mãos não existe. Os almanaques viraram mania. Mas, antigamente, eles eram até mais comuns! Os almanaques – publicações que divulgam textos bem variados, tratando de temas diversos – muitas vezes eram os materiais de leitura mais acessíveis e estavam presentes nos mais diversos contextos e momentos sociais.

Os almanaques são publicações anuais, sob o formato de calendário, e apresentam indicações astrológicas, previsões meteorológicas destinadas aos agricultores, orientações sobre saúde e comportamento, além de curiosidades, provérbios, receitas, etc. Neste sentido, a publicação mais conhecida deste gênero ainda em circulação é o Almanaque do Pensamento, tradicional anuário editado desde 1912, em São Paulo, pela Editora Pensamento.
Desde as primeiras décadas do século XX, em várias partes do mundo, a publicação de almanaques anuais gozou de grande prestígio junto às famílias, sendo tamanha a sua abrangência e importância no cotidiano que um tradicional almanaque francês, o Almanach Hachette, se subintitulava Petite Encilopédie Populaire de la Vie Pratique (Pequena Enciclopédia Popular da Vida Prática).
250px-Poor_Richard_Almanack_1739Aqui no Brasil os almanaques também eram considerados uma minienciclopédia do cotidiano. Até meados dos anos 70 as famílias letradas procuravam, ao fim de cada ano, os almanaques do ano vindouro, sem que isso significasse o descarte do almanaque “vencido”. Neles, diversão e informação se misturavam de maneira tão singular que era sempre possível, e comum, numa relida, descobrir alguma novidade.
Existiram almanaques de todos os tipos e para todos os gostos. Eles podem ser ao mesmo tempo úteis, lúdicos e prazerosos, didáticos, de devoção, temáticos, tradicionais ou modernos ou tudo isso junto! Afinal, parece que seu objetivo maior sempre é o de responder a todas as perguntas e curiosidades. Nos diferentes tipos de almanaques podemos encontrar informações como: datas importantes e comemorativas, calendários dos santos de cada dia, fases da lua e até textos poéticos (contos, poesia, crônicas ou enciclopédicos), ou seja, nos almanaques tem de tudo um pouco.

Os “Almanaques de Farmácia” são um exemplo dessa diversidade. Eram publicados com o patrocínio de laboratórios farmacêuticos que os utilizavam como estratégia publicitária principalmente para os seus fortificantes e medicamentos. Assim, eram distribuídos gratuitamente pelas empresas e laboratórios em grandes tiragens fazendo com que seus exemplares chegassem às regiões mais distantes do país. Talvez venha daí o fato dos almanaques de farmácia terem sido os mais populares e até hoje estarem presentes nas lembranças dos mais variados e modestos leitores.

Se se perguntasse para alguém mais velho da família sobre almanaques, com certeza surgirão nomes engraçados como: OPharol da Medicina, Almanaque Sadol, Almanaque do Licor de Cacau Xavier, Almanaqualmanaque-biocore Dr. Schilling, Almanaque Saúde da Mulher, Almanak de Bristol, Almanaque Capivarol, Almanaque Bayer, Almanaque Gessy… Ufa! Ah, e é claro: o Almanaque Biotônico Fontoura, provavelmente o mais conhecido de todos.

O Almanaque Biotônico Fontoura, lançado em 1920, foi criado (elaborado e ilustrado) por ninguém menos que Monteiro Lobato! Lobato criou nas suas páginas o folclórico personagem Jeca Tatu, o caipira que fez tanto sucesso que apareceu também nos seus livros infantis.

Os almanaques farmacêuticos do século XX formaram um capítulo importante da história da leitura no Brasil.

Origem da palavra Almanaque

Do árabe almanakh : Tem várias hipóteses para sua origem. A mais sóbria diz que vem de al-manaj, o círculo dos meses: manaj parece ser a arabização do vocábulo latino manacus, que designava o círculo do relógio solar que marca a sucessão dos meses. Combina com a finalidade primordial dos almanaques, que sempre foi a de publicar o calendário com as estações, a lunação, os eclipses etc. Outra hipótese, muito mais imaginativa, também passa pelos árabes: o vocábulo viria de al-manah: lugar onde se pára numa viagem, local onde o camelo descansa, referindo-se às 12 paradas que a Terra faria no seu trajeto ao redor do Sol, nas casas do zodíaco, e lembrando, ao mesmo tempo, o local onde os condutores de caravanas estacionavam para descansar e trocar entre si notícias, histórias curiosas e fatos pitorescos, bem ao modo dos almanaques modernos.

Ainda outra origem por vezes mencionada é que palavra vem do árabe al-manakh, o lugar onde onde o camelo se ajoelha, onde os nômades se reuniam para rezar e contar as experiências de viagens ou notícias de terras distantes. Em português

Originalmente, almanaque (do árabe al-manakh) é o lugar , a parada numa viagem, ou seja, é hora de descanso e abastecimento para os camelos e provavelmente também para seus “tripulantes”.

dia-dos-namoradosO dia dos namorados é uma data comemorada em vários cantos do mundo e em dias diferentes. Cada país tem a sua própria história para a origem dessa data. E você sabe qual é a origem do dia dos namorados no Brasil?
Após o publicitário João Dória retornar de uma viagem do exterior, ele teve a ideia de comemorar o “Valentine’s Day” (dia dos namorados) no mês de junho, já que nesse mês o comércio sofria uma queda de vendas por falta de uma data comemorativa. O mês estava certo, faltavam escolher o dia e foi aí que perceberam que dia 13 de junho é comemorado o dia de santo Antonio, mais conhecido como o santo do amor. Então decidiram colocar o Dia dos Namorados um dia antes, ou seja, 12 de junho.
João Dória trabalhava na rede de lojas Clipper e sua estratégia surtiu efeito com o slogan preparado por ele: “não é só com beijo que se prova o amor”. Através disso, as vendas da loja alavancaram, criando a tradicional troca de presentes nessa data tão especial para se demonstrar o amor.
A origem do dia dos namorados no Brasil fez com que casais trocassem presentes como chocolates, ursinhos de pelúcia, flores, cartões e diversas outras lembranças que traduzissem o amor que sentiam um pelo outro. O que é comemorado até nos dias atuais, em todo dia 12 de junho.

Segundo a Enciclopédia Livre Wikipédia, o Dia do Pai teve origem na antiga Babilônia, há mais de 4 mil anos. Um jovem chamado Elmesu moldou e escupiu em argila o primeiro cartão. Desejava sorte, saúde e longa vida a seu pai.

Em 1909, Sonora Louise Dodd, filha do veterano da Guerra Civil, John Bruce Dodd, ao ouvir um sermão de sua mãe, teve a idéia de celebrar o Dia dos Pais. Sonora, de Washington, queria um dia especial em homenagem ao pai, que viu sua mulher dando a luz ao sexto filho, tendo que criar o recém-nascido e seus outros cinco filhos sozinho. Já adulta, Sonora sentia-se orgulhosa de seu pai ao vê-lo superar todas as dificuldades sem a ajuda de ninguém; foi destemido e amável. Então, já que John Bruce Dodd, pai de sonora, nascera no mês de Junho, ela escolheu celebrar o primeiro Dia dos Pais em Spokane, Washington, no dia 19 de junho de 1910.

Por fim, em 1924 o presidente Calvin Coolidge, apoiou a idéia de um Dia dos Pais nacional e, finalmente, em 1966, o presidente Lyndon Johnson assinou uma proclamação presidencial declarando o terceiro Domingo de Junho como o Dia dos Pais.

No Brasil, a idéia de comemorar esta data partiu do publicitário Sylvio Bhering e foi festejada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 1953, dia de São Joaquim, patriarca da família. Sua data foi alterada para o 2º domingo de agosto por motivos comerciais, ficando diferente da americana e européia.

Em outros países
Pelo menos onze países também comemoram o Dia dos Pais à sua maneira e tradição.

  • Na Itália, Espanha e Portugal, por exemplo, a festividade acontece no mesmo dia de São José, 19 de março. Apesar da ligação católica, essa data ganhou destaque por ser comercialmente interessante.
  • Reino Unido – No Reino Unido, o Dia dos Pais é comemorado no terceiro domingo de junho, sem muita festividade. Os ingleses não costumam se reunir em família, como no Brasil. É comum os filhos agradarem os pais com cartões, e não com presentes.
  • Grécia – Na Grécia, essa comemoração é recente e surgiu do embalo do Dia das Mães. Lá se comemora o Dia dos Pais em 21 de junho.
  • Portugal – A data é comemorada no dia 19 de março, mesmo dia que São José. Surgiu porque é comercialmente interessante. Os portugueses não dão muita importância para essa comemoração.
  • Canadá – O Dia dos Pais canadense é comemorado no dia 17 de junho. Não há muitas reuniões familiares, porque ainda é considerada uma data mais comercial.
  • Austrália– A data é comemorada no segundo domingo de setembro, com muita publicidade.
  • Alemanha – Na Alemanha não existe um dia oficial dos Pais. Os papais alemães comemoram seu dia no dia da Ascensão de Jesus (data variável conforme a Páscoa) . Eles costumam sair às ruas para andar de bicicleta e fazer piquenique.
  • Paraguai – A data é comemorada no segundo domingo de junho. Lá as festas são como no Brasil, reuniões em família e presentes.
  • Argentina – A data na Argentina é festejada no terceiro domingo de junho com reuniões em família e presentes.
  • Peru – O Dia dos Pais é comemorado no terceiro domingo de junho. Não é uma data muito especial para eles.
  • África do Sul – A comemoração acontece no mesmo dia do Brasil, mas não é nada tradicional.
  • Rússia – Na Rússia não existe propriamente o Dia dos Pais. Lá os homens comemoram seu dia em 23 de fevereiro, chamada de “o dia do defensor da pátria” (Den Zaschitnika Otetchestva).

Fonte: Wikepédia e Portal da Família

Copa do Mundo

Publicado: 15/06/2010 por Andrew em Atualidades, Esportes Radicais & Semi
Tags:,

Nestes dias de Copa do Mundo, os brasileiros quase param acompanhando os jogos. Mas, da onde vem esse entusiasmo todo e como surgiu a Copa do Mundo?

A Copa do Mundo (português brasileiro) ou Campeonato do Mundo de Futebol / Mundial (português europeu) é um torneio de futebol masculino realizado a cada quatro anos pela FIFA (Federation International Football Association), em que diversos países do mundo se reúnem para disputar partidas de futebol e mostrar quem é o melhor do mundo naquele período.  A Copa do Mundo é o segundo maior evento desportivo do mundo, ficando atrás apenas dos Jogos Olímpicos de Verão. Desde a Copa do Mundo de 1998 é realizada com 32 equipes participantes.

O primeiro amistoso internacional de futebol foi jogado em 1872, entre a Inglaterra e Escócia, num momento em que o esporte era raramente praticado fora da Grã-Bretanha. No final do século XIX o futebol começou a ganhar mais adeptos, e por isso se tornou um esporte de demonstração (sem disputa de medalhas) nos Jogos Olímpicos de Verão de 1900, 1904 e 1906, até se tornar uma competição oficial nos Jogos Olímpicos de Verão de 1908. Esse torneio, organizado pela Football Association, consistia em um evento para jogadores amadores, e na época não foi considerado uma real competição, mas sim um mero espetáculo. A seleção amadora da Inglaterra foi a campeã nas duas edições, 1908 e 1912.

Em 1914, a FIFA reconheceu o torneio olímpico como uma “competição global de futebol amador”, tomando para si a responsabilidade em organizá-lo. Com isso, nas Olimpíadas de 1924, houve a primeira disputa de futebol intercontinental, na qual o Uruguai consagrou-se campeão, feito repetido na Olimpíada seguinte. Além destas conquistas, o apelido com que a seleção uruguaia é conhecida até hoje – “Celeste olímpica”. Em 28 de Maio de 1928, a FIFA decidiu pela criação de um próprio campeonato mundial, iniciando a partir de 1930. Na seqüência das comemorações do centenário da independência do Uruguai, em 1928, aliada às conquistas olímpicas do futebol daquele país, decidiu-se que a sede da competição seria no país sul-americano.
A primeira Copa do Mundo oficial
A competição foi criada pelo francês Jules Rimet, em 1928, após ter assumido o comando da FIFA. A primeira edição da Copa do Mundo foi realizada no Uruguai em 1930.
Nesse primeiro mundial, não havia torneio eliminatório. Contou com a participação treze seleções, sete da América do Sul (Uruguai, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Peru), quatro da Europa (Bélgica, França, Iugoslávia e Roménia) e duas da América do Norte (México e EUA). Muitas seleções européias desistiram da competição devido à longa e cansativa viagem pelo Oceano Atlântico. A seleção uruguaia sagrou-se campeã e pôde ficar, por quatro anos, com a taça Jules Rimet.
Nas duas copas seguintes (1934 e 1938) a Itália ficou com o título. Nos anos de 1942 e 1946, a Copa não ocorreu devido à Segunda Guerra Mundial.
Em 1950, o Brasil foi escolhido para sediar a Copa do Mundo. Os brasileiros ficaram entusiasmados e confiantes no título. Com uma ótima equipe, o Brasil chegou à final contra o Uruguai. A final, realizada no recém construído Maracanã (Rio de Janeiro – RJ) teve a presença de aproximadamente 200 mil espectadores. Um simples empate daria o título ao Brasil, porém a celeste olímpica uruguaia conseguiu o que parecia impossível: venceu o Brasil por 2 a 1 e tornou-se campeã. O Maracanã se calou e o choro tomou conta do país do futebol.
O Brasil sentiria o gosto de erguer a taça pela primeira vez em 1958, na copa disputada na Suécia. Neste ano, apareceu para o mundo, jogando pela seleção brasileira, aquele que seria considerado o melhor jogador de futebol de todos os tempos: Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.
Quatro anos após a conquista na Suécia, o Brasil voltou a provar o gostinho do título. Em 1962, no Chile, a seleção brasileira conquistou pela segunda vez a taça. Em 1970, no México, com uma equipe formada por excelentes jogadores ( Pelé, Tostão, Rivelino, Carlos Alberto Torres entre outros), o Brasil tornou-se pela terceira vez campeão do mundo ao vencer a Itália por 4 a 1. Ao tornar-se tricampeão, o Brasil ganhou o direito de ficar em definitivo com a posse da taça Jules Rimet.
Após o título de 1970, o Brasil entrou num jejum de 24 anos sem título. A conquista voltou a ocorrer em 1994, na Copa do Mundo dos Estados Unidos. Liderada pelo artilheiro Romário, nossa seleção venceu a Itália numa emocionante disputa por pênaltis. Quatro anos depois, o Brasil chegaria novamente a final, porém perderia o título para o pais anfitrião: a França.
Em 2002, na Copa do Mundo do Japão / Coréia do Sul, liderada pelo goleador Ronaldo, o Brasil sagrou-se pentacampeão ao derrotar a seleção da Alemanha por 2 a 0.
Em 2006, foi realizada a Copa do Mundo da Alemanha. A competição retornou para os gramados da Europa. O evento foi muito disputado e repleto de emoções, como sempre foi. A Itália sagrou-se campeã ao derrotar, na final, a França pelo placar de 5 a 3 nos pênaltis. No tempo normal, o jogo terminou empatado em 1 a 1.
Este ano, 2010, pela primeira vez na história, a Copa do Mundo será realizada no continente africano, na África do Sul.
 
Curiosidades:
  • Em 2014, a Copa do Mundo será realizada no Brasil. O evento retornará ao território brasileiro após 64 anos, pois foi em 1950 que ocorreu a última copa no Brasil.
  • O recorde de gols em Copas é do francês Fontaine com 13 gols;
  • O Brasil é o único país que participou de todas as Copas do Mundo;
  • O Brasil é o país com mais títulos conquistados: total de cinco;
  • A Itália foi quatro vezes campeã mundial. A Alemanha foi três vezes, seguida das bi-campeãs Argentina e Uruguai. Inglaterra e França possuem apenas um título cada;
  • A Copa do Mundo é o segundo maior evento esportivo do planeta;
  • As Copas do Mundo da França (1998) e Japão / Coréia do Sul (2002) foram as únicas que tiveram a participação de 32 seleções. A Copa do Mundo da Alemanha 2006 teve o mesmo número de seleções participantes.
  • A Copa do Mundo de 1950 foi a primeira a ter participantes britânicos. Eles tinham se retirado da FIFA em 1920, por se recusarem a jogar com países que tinham guerreado recentemente e por um protesto da influência estrangeira no futebol, já que o esporte era uma “invenção” britânica e esses países consideravam que o mesmo tinha sido deturpado pelo modo de jogar estrangeiro.[4] Contudo, eles voltariam a ser membros da FIFA em 1946. O torneio também teve a volta da participação do Uruguai, que tinha boicotado as duas edições anteriores.

Os campeões de todos os tempos
Uruguai (1930) / Itália (1934) / Itália (1938) / Uruguai (1950) / Alemanha (1954) / Brasil (1958) / Brasil ( 1962) / Inglaterra ( 1966) / Brasil (1970) / Alemanha (1974) / Argentina (1978) / Itália (1982) / Argentina (1986) / Alemanha (1990) / Brasil (1994) / França (1998) / Brasil (2002), Itália (2006).

O Brasil é o país que alcançou mais títulos mundiais – cinco (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002) – e o único pais que ganhou fora de seu continente. É também o único país a ter participado de todos os Campeonatos. Segue-se a seleção da Itália, tetracampeã (1934, 1938, 1982 e 2006); a Alemanha, tricampeã (1954, 1974 e 1990); os bicampeões Argentina (vencedora em 1978 e 1986) e Uruguai (vencedor em 1930 e em 1950); e, por fim, com um único título, as seleções da Inglaterra, campeã em 1966, e da França, campeã em 1998.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre e Sua Pesquisa

No dicionário, o labirinto significa caminhos cruzados de onde é difícil sair.

O inglês tem dois termos para o nosso labirinto: labyrinth e maze, sendo que o segundo também significa dúvida, perplexidade, confusão. Desta maneira, maze passou a ser o tipo de labirinto com múltiplos caminhos possíveis, alguns dos quais levado a passagens sem saída ou a saídas inesperadas, desviando a pessoa do objetivo que é chegar ao centro. Por outro lado, o labyrinth apresenta apenas um caminho para o centro e seu objetivo não é criar dúvidas, confusão ou um enigma a ser resolvido. É exatamente esse tipo de labirinto que vem sendo estudado e redescoberto nos últimos anos, utilizado como forma de favorecer um desenvolvimento espiritual.

De toda forma, um labirinto é constituído por um conjunto de percursos intrincados criados com a intenção de desorientar quem os percorre. Podem ser construções tridimensionais (como o lendário labirinto de Creta, ou um conjunto de sebes plantadas de forma a proporcionar entretenimento num jardim), desenhos (como os labirintos que aparecem nos jornais como passatempo), etc.

Os labirintos são fascinantes para os autores. Jorge Luis Borges, por exemplo, desenvolveu o assunto em diversos contos e ensaios. No cinema, encontram-se labirintos nos filmes: O Iluminado, Labirinto, Labirinto de Fauno, entre outros.

O encontro do labirinto é considerado pelos gnósticos como um símbolo de iniciação. Em seu percurso haveria um centro espiritual oculto, uma dissipação de trevas pela luz e o renascimento pessoal. Nesse sentido, a superação seria encontro da verdade ou opus.

Em todas as culturas, o labirinto tem o simbolismo de representação confusa da consciência matriarcal, do inconsciente e este universo só pode ser transposto por aqueles que encontram-se preparados para fazer uma jornada ao universo do inconsciente coletivo. Seu acesso portanto, só é viável ao iniciado que conhece de forma antecipada os planos, uma vez que o seu centro é reservado à ele. O labirinto conduz o homem ao seu próprio centro interior.

Para os esotéricos, o labirinto significa o nascimento e a morte, tendo como seu maior significado a purificação para o sagrado.

O Labirinto na história
Para alguns estudiosos, o labirinto é um símbolo universal, talvez gravado na memória coletiva do ser humano, atingindo a todos, independente da raça e cultura. Tem sido utilizado em rituais de fertilidade e ritos fúnebres, ou como modelo decorativo para jardins e jogos populares. Também é conhecida sua função como espécie de talismã ou amuleto.

Diz-se que na Escandinávia os pescadores costumavam percorrer labirintos acreditando que, com isso, poderiam controlar ou obter condições climáticas favoráveis. Em outras regiões do planeta eles foram usados para proteger habitações e pessoas da influência de espíritos malignos. Segundo alguns estudiosos do tema, porém, tais empregos do labirinto não passam de deturpações do sentido original.

Os labirintos figuram entre os símbolos mais antigos da humanidade, e há milhares de anos são utilizados em diferentes culturas do planeta. Na verdade, um dos mais antigos, ou o mais antigo labirinto conhecido data de 3.400 anos a.C., tendo sido encontrado no túmulo do rei egípcio Perabsen. Talvez o labirinto mais conhecido no mundo seja aquele construído por Dédalo em Cnossos (em português, Dédalo é sinônimo de labirinto), a mando do rei Minos de Creta para conter o Minotauro — um monstro com cabeça de touro e corpo de homem, fruto do amor da rainha pelo touro sagrado —, ao qual eram sacrificados anualmente sete rapazes e sete moças, e que foi morto por Teseu.

O maior labirinto de que se tem notícia foi construído no subterrâneo da Catedral de Chartres, na França, tendo acima, o altar da igreja. O labirinto era chamado de “Caminho de Jerusalém”, pois os peregrinos judeus, – impedidos de irem à Cidade Santa -, substituíam essa viagem por uma jornada feita de joelhos pelo labirinto próximo a igreja. A superstição em torno dele era muito forte e permanece até os dias atuais.

Na Índia, por exemplo, quando uma criança está prestes a nascer, os pais desenham em um papel um labirinto com 11 voltas, para que tudo corra bem.

Para os Vikings, o símbolo da espiral era uma forma de designar as forças de Thor, o deus da justiça. Os cristãos dos primeiros séculos, viam o labirinto como a representação da Via Crucis de Jesus em Jerusalém.

Todo labirinto deve ter 11 voltas. O número 10 representa a divindade e o 11, a força, que por sua vez, representa a compreensão da espiritualidade. O labirinto pode ser substituído pelo desenho de uma espiral -, que representa libertar algo preso do passado, facilitando o contato com o seu inconsciente, liberando traumas, e até mesmo a possibilidade de visualizar cenas de uma vida regressa.

Fontes: Wikipedia, O Esotérico

Feliz Aniversário!!!

Publicado: 08/12/2009 por Kakao Braga em Atualidades
Tags:, ,

Aniversário é uma palavra latina que significa “aquilo que volta todos os anos”. Anniversarius vem de annus (ano) e vertere (voltar), ou seja, aquilo que se faz ou que volta todos os anos.

Velinhas de aniversário 

O bolo de aniversário parece ter surgido na Grécia, em homenagem a Artemis, a deusa da caça, reverenciada no dia 6 de cada mês. Dizia-se que as velas representavam o luar.

Na Idade Média, esse costume chegou à Alemanha. Os camponeses faziam festas infantis que começavam ao raiar do dia. As velas eram acesas e a criança acordava com a chegada do bolo. Naquele tempo, o número de velinhas não era igual ao número de anos do aniversariante. O bolo recebia uma vela a mais – sinal da luz da vida.

Feliz Aniversário em alguns idiomas

 Em Inglês  Happy Birthday
 Em Francês  Joyeux Anniversaire
 Em Italiano  Felice Anniversario
 Em Espanhol  Feliz Cumplaeaños
 Em Alemão  Herzlichen Glückwunsch ou Zum Geburtstag

Hoje, completamos nosso primeiro aniversário e queremos comemorar com você. Obrigada por tudo!