Posts com Tag ‘chuvas’

Já são 102 os mortos no Rio de Janeiro

Publicado: 07/04/2010 por Kakao Braga em Atualidades, Meio Ambiente
Tags:,

Há mais de vinte horas, o Rio de Janeiro sofre com as fortes chuvas que atingem vários pontos do Estado. O Corpo de Bombeiros informou que o número de mortes em todo o estado do Rio chega a 102 e que 60 pessoas estão desaparecidas, o que indica que esse total poderá aumentar.

De acordo com o último boletim divulgado nesta quarta-feira (7), apenas em Niterói 47 moradores estão sendo procurados em escombros. A meterologia prevê que a chuva continuará até quinta-feira (8), com queda de temperatura.

Na cidade do Rio de Janeiro, segundo os bombeiros,  a situação é mais crítica no bairro de Santa Teresa, cercado por morros, onde sete pessoas ainda não foram localizadas. Na zona oeste, em Jacarepaguá cães farejadores auxiliam nas buscas de dez vítimas de deslizamentos de terra. Também na Rocinha, na zona sul, e em Vila Cosmos, na zona norte, há duas pessoas sendo procuradas.

Desde as 17h de segunda-feria (5) até as 7h da manhã de hoje, a Defesa Civil já recebeu 786 ocorrências, sendo a maior parte sobre desabamentos de imóveis, rachaduras, deslizamentos de barreiras e quedas de muros. Até agora, foram interditados 180 imóveis e 2.134 pessoas estão desabrigadas.

O número de mortos na capital fluminense subiu para 41, porque hoje de manhã foram encontrados dois corpos no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, um no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, e outro no Morro do Turano, na Tijuca. Em Niterói, já foram encontrados 49 corpos que estavam soterrados. As demais vítimas foram localizadas em desmoronamentos em São Gonçalo (nove pessoas), Nilópolis (uma), Paulo de Frontin (uma) e Petrópolis (uma).

Fonte: Agência Brasil

Anúncios

Segundo a Central de Meteorologia áreas de instabilidade propagam-se pelo Norte e levam chuva à boa parte da região.

Região Sul
As áreas de instabilidade causam chuvas em boa parte da Região Sul. Esperam-se chuvas fortes, com acumulado de 40 mm em 24 horas no Paraná e leste de Santa Catarina. Já no Rio Grande do Sul, o acumulado será mais baixo, oscilando em torno dos 10 mm em 24 horas. A temperatura máxima continua caindo no centro e leste do Paraná e de Santa Catarina. Já no interior dos dois Estados e no Rio Grande do Sul, a temperatura permanece elevada.

Região Sudeste
Áreas de instabilidade propagam-se pela Região Sudeste, onde causam pancadas de chuva e trovoadas em praticamente todas as localidades. Apenas no norte de Minas Gerais, não há previsão de chuvas. Esperam-se temporais com acumulado em torno de mais de 100 mm em 24 horas no norte de São Paulo e oeste de Minas Gerais. Por conta da grande quantidade de nuvens, a temperatura máxima permanece baixa em São Paulo, Minas Gerais e interior dos Estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo.

Região Centro-Oeste
Mais um dia com chuvas generalizadas sobre o Centro-Oeste. Há previsão de temporais localizados sobre o norte de Goiás e noroeste de Mato Grosso, com acumulado de mais de 60 mm em 24 horas. Por conta da grande quantidade de nuvens, a temperatura máxima permanece baixa sobre o norte de Goiás.

Região Nordeste
Áreas de instabilidade propagam-se pela Região Nordeste, onde provocam pancadas de chuva e trovoadas sobre boa parte do Maranhão, centro e sul do Piauí, sudoeste do Ceará e no oeste e litoral sul da Bahia. Há previsão de chuvas fortes e localizadas sobre o oeste do Maranhão (20 mm em 24 horas). Na maior parte dos Estados do leste do Nordeste, o tempo permanece seco, ensolarado e quente. 

Região Norte
Áreas de instabilidade propagam-se pelo Norte, onde causam pancadas de chuva e trovoadas sobre boa parte da região. Apenas em Roraima, o risco de chuva é menor. Há previsão de grandes temporais sobre Rondônia, Pará, Amazonas e litoral do Amapá. Por conta da grande quantidade de nuvens, a temperatura máxima permanece baixa no sudoeste do Amazonas.

Previsão para os próximos dias
Região Sul
Na quinta-feira, persistem as chuvas fortes, com acumulado de 50 mm em 24 horas no leste do Rio Grande do Sul e nordeste do Paraná. Na sexta-feira, o acumulado passa dos 30 mm no nordeste do Rio Grande do Sul. Entre 30 de janeiro e 03 de fevereiro, as chuvas prosseguem sobre boa parte da Região, mas o acumulado será mais baixo. Previsão estendida

Região Sudeste
Na quinta-feira, esperam-se chuvas muito intensas sobre boa parte do Estado de São Paulo, inclusive Capital, com acumulado de quase 100 mm em 24 horas. Na sexta-feira, ainda há previsão de chuvas fortes sobre o litoral paulista. Entre 30 de janeiro e 03 de fevereiro, ainda há previsão de chuvas em boa parte do Sudeste, com acumulado de mais de 50 mm sobre boa parte do Rio de Janeiro.

Região Centro-Oeste
Até o dia 30 de janeiro, a situação permanece inalterada com previsão de chuvas generalizadas sobre o Centro-Oeste. Entre 31 de janeiro e 03 de fevereiro, as chuvas prosseguem, porém o acumulado será mais baixo.

Região Nordeste
A partir da quinta-feira retornam os temporais localizados. Eles devem atingir o sul da Bahia, sul do Piauí e sul do Maranhão, com acumulado de 20 mm em 24 horas. Na sexta-feira, esperam-se intensos temporais com acumulado de mais de 100 mm em 24 horas no sul do Piauí. Entre 30 de janeiro e 03 de fevereiro, prosseguem as chuvas sobre o sul e oeste da Bahia, Piauí, Maranhão, oeste do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraná, leste de Pernambuco e leste de Alagoas.
Previsão estendida
Até o dia 3 de fevereiro, as chuvas prosseguem sobre boa parte da Região Norte, com acumulado de mais de 150 mm sobre o Pará e Amazonas.

Fonte: Canal Rural 

(Foto: Cedoc/RAC)

As chuvas que atingem Minas já fizeram 110 cidades decretarem estado de emergência, informou a Defesa Civil do Estado na manhã desta segunda-feira. O balanço do órgão também aponta 27 mortes em decorrência das enchentes e deslizamentos desde o mês de setembro.

Os últimos municípios a terem o decreto instaurado foram Itaverava, Luisburgo, Novo Cruzeiro, Pedra do Anta, São Francisco da Glória, São João do Paraíso, Ibirité e Andrelândia.

Segundo a Defesa Civil, alguns desses casos são de cidades que tiveram novo estado de emergência decretado ou o antigo prorrogado.

Na última sexta-feira (23), a cidade de São Francisco da Glória teve forte precipitação nas áreas rurais causando obstrução de estradas, além de queda de barreiras e pontes.

Além dos 110 municípios em emergência, outros 39 comunicaram problemas causados pelas chuvas, totalizando 149 cidades afetadas. Até esta segunda-feira, as chuvas danificaram 25.910 casas e deixaram outras 697 destruídas.
O último balanço divulgado das vítimas das chuvas também apontava 9.039 pessoas desabrigadas e outras 86.961 desalojadas, ou seja, estão em casas de amigos e parentes.

Estradas
O governo do Estado de Minas informou nesta segunda-feira que nove trechos de rodovias continuam interditados devido a problemas causados pelas chuvas.

Um desses problemas está na MG-40 (km 69) onde danos na infraestrutura de uma ponte impedem a passagem de carros entre Brumadinho e Bonfim. Problemas em uma ponte também deixam o km 97,7 da MG-220 interditado entre Santo Hipólito.

Na MG-252 (km 14) e na MG-350 (km 2) duas pontes também estão danificadas e interditam trechos das rodovias. Outros trechos interditados são encontrados na MG-311 (km 98,4, 99,8 e 104,2), na MG-416 (km 0,2) e na MGC-354 (km 563,6).

Fonte: Folha Online

Henrique Porto - Site G1
Foto: Henrique Porto – Site G1

DIANA BRITO

A forte chuva que atinge a cidade do Rio desde ontem continua a causar estragos e transtornos em várias regiões, nesta quinta-feira. Um prédio desabou na Ilha do Governador e outro ameaça cair na favela de Rio das Pedras. A chuva também provoca alagamentos em ruas e avenidas, principalmente nas zonas norte e oeste. Segundo a Defesa Civil Municipal, cerca de 298 chamados já foram registrados.

A avenida Brasil tem tráfego intenso e pontos de lentidão na pista sentido centro, nas regiões de Ramos, Olaria, Penha, Parada de Lucas, Benfica e Caju. Na estrada Grajaú-Jacarepaguá, um deslizamento de terra deixou a pista sentido Tijuca (zona norte) interditada.

Devido à chuva, os aeroportos Santos Dumont e Tom Jobim operam com auxílio de instrumentos, mas não suspenderam as operações.

Na ponte Rio-Niterói, o trânsito ficou intenso durante a manhã no sentido centro, devido as pistas escorregadias. A Linha Vermelha também ficou com o tráfego congestionado, na altura da Maré, para quem se deslocava para a região central.

A Rodovia RJ-116 (Itaboraí-Nova Friburgo) teve dois trechos interditados por causa de deslizamentos de encostas na madrugada desta quinta-feira. Segundo a Concessionária Rota 116, equipes trabalham na limpeza do local na altura dos quilômetros 52 e 69 da via, na região serrana.

Na BR-493, que liga Itaboraí a Magé, no km 4, o asfalto cedeu e a pista foi parcialmente interditada no sentido Magé. Segundo a Polícia Rodoviária Federal o trânsito está fluindo com retenções na localidade.

Fonte: Folha Online

Chuva continua até Domingo

A chuva deve continuar nesta quinta-feira (22) segundo a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O instituto prevê tempo nublado com pancadas de chuva ocasionais.

Segundo o Inmet são esperadas chuvas mais fortes na Região Serrana, Norte e Noroeste do Rio. A previsão é de chuva no estado pelo menos até domingo (25).

 Mais informações: G1

Dionatan Daniel Giusti-04.jan.2009

Foto: Dionatan Daniel Giusti-04.jan.2009

Desde o final de 2008, as chuvas castigam diversos Estados do Brasil. Embora a Secretaria Nacional de Defesa Civil do Ministério da Integração Naciona, não tenha um número de mortes exato sobre as provocadas pelas chuvas no país, um levantamento feito pela Folha Online junto às Defesas Civis estaduais aponta que ao menos 158 pessoas morreram desde setembro último.

Desse total, 135 ocorreram em Santa Catarina –onde a Defesa Civil ainda procura por seis desaparecidos–, e 23 em Minas. O número pode ser bem maior uma vez que alguns municípios não tem uma Defesa Civil municipal. Até o último dia de 2008, dos 5.563 municípios brasileiros, aproximadamente 1.360 não contavam com uma Defesa Civil municipal.

Dados do Sedec revelam que o Brasil é o país com o maior número de pessoas afetadas pelas chuvas e enchentes no Hemisfério Sul, não só em 2008, mas anualmente. No ano passado, as chuvas afetaram 1,5 milhão de pessoas em Santa Catarina e 1,5 milhão de pessoas no Nordeste. Apesar dos números serem alarmantes são um relato de como não há ações preventivas eficazes para lidar com as catástrofes naturias, apesar dos esforços implementados.

Segundo Sérgio José Bezerra, coordenador geral do departamento de Minimização de Desastres da Sedec, um dos motivos é a falta de “percepção de riscos” dos brasileiros. “Porque não fomos educados para reconhecer os riscos. Muitos não têm nem noção da gravidade, e se arriscam a morar em morros e em áreas que já estão condenadas a cair desde o início”, diz.

Tanto em Santa Catarina, quanto em Minas, estima-se que a maioria das pessoas morreu soterradas em suas casas. Bezerra declara que a ocupação de áreas de risco no Brasil é um problema “crônico”, e não afeta somente a população de baixa renda, mas também a classe média e alta. “Isso foi um processo de omissão do Estado, das instituições que tinham por responsabilidade reprimir a ocupação, em alguns casos, foi até  incentivada em áreas que se tornaram de riscos depois. Inúmeros desastres poderiam ter sido evitados se tivéssemos educados essas pessoas para não ocupar essas áreas de riscos”, afirma.

Outro fator que prejudica a população é a picuinhas políticas entre algumas prefeituras e os Estados.  Hoje para se evitar tais situações, em situações extremas, o prefeito deve comunicar-se diretamente ao Sedec para pedir ajuda.
 
Mudanças climáticas
Enquanto alguns Estados são afetados pelas chuvas, outros sofrem com a seca, como é o caso do Rio Grande do Sul, onde 46 cidades estão em situação de emergência devido à falta de água –segundo informações divulgadas na última terça-feira (6). Segundo a Defesa Civil do Estado, não chove no noroeste e na região do Planalto há cerca de três meses e 85 mil pessoas já foram afetadas.  De acordo com Bezerra, o fenômeno da estiagem no Estado se intensificou a partir de 2004, e pode ser justificada pelas mudanças climáticas registradas no planeta. Para sustentar seu argumento, o coordenador do departamento de Minimização de Desastres da Sedec chama a atenção para o número de fenômenos naturais ocorridos no período.

Fonte e matéria completa: Folha Online

16joinDiversos municípios do leste catarinense sofrem novos problemas, em decorrência de chuvas que atingem a região há dois dias. De acordo com a Defesa Civil do Estado de Santa Catarina, a situação é mais grave em Joinville, São Francisco do Sul, Ilhota, Itajaí, São José e Palhoça. Não há registro de novas mortes.

Santa Catarina registra 128 mortes devido às enchentes no Estado, segundo a Defesa Civil. Vinte e seis pessoas ainda estão desaparecidas. O número de desalojados e desabrigados chega a 33.479, sendo 6.243 desabrigados e 27.236 desalojados.

Estradas interditadas
Uma queda de barreira interditou completamente a Rodovia SC-416, entre Jaraguá e Pomerode. A SC-438 está com tráfego em meia pista no trecho entre Bom Jardim e Lauro Müller.

O Departamento Estadual de Defesa Civil recomenda a atenção da população devido aos riscos de deslizamento e mais alagamentos e solicita que qualquer sinal de deslizamento, como inclinação de árvores, movimentação do solo ou rachaduras, seja imediatamente comunicado à Defesa Civil do município.No caso de alagamento, a população deve evitar o contato com a água, já que pode estar contaminada e provocar doenças. Também é aconselhável não dirigir em lugares alagados.

Chuvas devem diminuir
De acordo com o Epagri/Ciram (Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina), em Joinville e São José choveu, de domingo (14) até hoje (16), entre 15% e 20% a mais do que a média histórica (últimos 50 anos) para o mês de dezembro inteiro. Em Florianópolis e Itajaí, somente nos últimos três dias choveu 75% da média histórica para dezembro. A presença de um sistema meteorológico conhecido por Vórtice Ciclônico sobre a Região Sul do País está provocando chuvas fortes e contínuas em algumas localidades de Santa Catarina, inclusive nas áreas mais atingidas pela tragédia no mês de novembro, que deixou 128 pessoas mortas.

A tendência é que a chuva prossiga, com menor intensidade, na maioria dos municípios do leste do Estado até amanhã de manhã. Situação preocupante, já que o solo encharcado possibilita a ocorrência de novos deslizamentos. De quinta-feira a sábado, entretanto, a previsão é que a chuva pare ou reduza bastante, segundo o Epagri/Ciram.

Furto de Donativos
Os soldados e o sargento do Exército flagrados furtando donativos para vítimas das enchentes de Santa Catarina, em Blumenau, foram afastados, segundo o general Manoel Luiz Narva Pafiadache, da 14º Brigada de Infantaria Motorizada do Exército. O inquérito policial militar já foi aberto e tem prazo de até 20 dias para ser concluído. A sindicância vai apurar se houve transgressão disciplinar e as penas, de acordo com o grau de responsabilidade de cada um, vão de uma advertência até a expulsão do Exército.

A Polícia Civil também já instaurou inquérito na tarde de ontem para investigar as pessoas que aparecem nas imagens da RBS TV,  retirando produtos do pavilhão de Blumenau sem autorização. O secretário de Desenvolvimento Regional de Blumenau, Paulo França, admitiu que houve falhas no acompanhamento e na fiscalização do trabalho de triagem dos donativos, e disse que serão tomadas novas medidas.

A prefeitura de Blumenau e a Defesa Civil do Estado já tomaram algumas providências para evitar novos furtos de donativos. Entre elas está a contratação de uma empresa de logística, que deve começar a atuar até a próxima quinta-feira, para assessorar a coordenação dos trabalhos da central de donativos, desde a chegada das doações até a distribuição dos materiais para as prefeituras.

Doações em Dinheiro
As doações bancárias ao Fundo Estadual da Defesa Civil de Santa Catarina, que irão atender a população afetada pelas chuvas no Estado, alcançaram R$ 25.217.799,09  até ontem, dia 15. As doações bancárias ao Fundo Estadual da Defesa Civil de Santa Catarina, que irão atender a população afetada pelas chuvas no Estado, alcançaram R$ 25.217.799,09 na tarde desta segunda-feira (15). Os recursos arrecadados serão distribuídos entre os municípios pela Comissão Intermunicipal de Reconstrução de necessidades de cada localidade.

Após uma reunião nesta terça-feira, 16, entre os prefeitos e o secretário de Estado, chegou-se ao consenso de que a Defesa Civil deverá repassar R$ 1 milhão para municípios da Regional de Jaraguá do Sul atingidos pelas chuva.  Os municípios de Corupá e Massaranduba devem receber R$ 50 mil, cada. Já Schroeder vai contar com R$ 100 mil. Guaramirim, a segunda mais atingida da região, receberá R$ 300 mil. Para Jaraguá do Sul, a cidade mais castigada pelas enxurradas, será destinada a maior quantia, R$ 500 mil.

(Fontes: UOL e Agência Estado)