Posts com Tag ‘cérebro’

O tamanho do cérebro de uma mulher muda durante seu ciclo menstrual, com algumas áreas crescente até 2% na véspera da ovulação, quando as mulheres estão no pico da fertilidade.

Belinda Pletzer e sua equipe da Universidade de Salzburg, na Áustria, obteve imagens cerebrais de mulheres durante seus ciclos menstruais usando um aparelho de ressonância magnética.

Em mulheres que não estavam tomando contraceptivos, a equipe encontrou um aumento no volume de massa cinzenta cerebral nos giros para-hipocampal e fusiforme, ambos no lado direito do cérebro. Essas áreas estão envolvidas em atividades de localização espacial e reconhecimento de faces.

Segundo Pletzer, as mudanças no cérebro aumentam as habilidades de mulheres reconhecerem faces, corpos e paisagens, o que poderia ajudá-las a encontrar um parceiro.

No entanto, as mudanças duram pouco. Após a ovulação, o aumento nos níveis de progesterona fazem com que os giros cerebrais voltem para seus tamanhos originais.

A equipe também descobriu que mulheres usando contraceptivos tinham hipocampo e cerebelo, áreas ligadas a memória e movimento, maiores que um grupo controle.

“A pílula pode exagerar comportamentos típicos de mulheres, como habilidades linguísticas e de memória superiores”, diz Pletzer.

O estudo foi publicado na revista especializada “Brain Research”.

Fonte: New Scientist

Anúncios

:: Por Airton Luiz Mendonça ::

Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas, sem relógio… Você começará a perder a noção do tempo.

Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea.

Isso acontece porque nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.   

Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar:

Nosso cérebro é extremamente otimizado. Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.

Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil pensamentos por dia.  

Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade.

Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e, portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo.

É quando você se sente mais vivo.

Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e “apagando” as experiências duplicadas.

Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente. 

Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado, nossa atenção parece ser requisitada ao máximo.

Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando ao celular ao mesmo tempo.

Como acontece? 

Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente). O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa, no lugar de repetir realmente a experiência).

Em outras palavras, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente. Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa, são apagados de sua noção de passagem do tempo…

Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida.

Conforme envelhecemos, as coisas começam a se repetir: as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações… Enfim… As experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo.

Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década.

Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a… ROTINA.

Não me entenda mal.

A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.

Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo: M & M  (Mude e Marque).

  • Mude, fazendo algo diferente e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registros com fotos.
  • Mude de paisagem, tire férias com a família (sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e marque com fotos, cartões postais e cartas.
  • Tenha filhos (eles destroem a rotina) e sempre faça festas de aniversário para eles, e para você (marcando o evento e diferenciando o dia).
  • Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais. 
  • Faça festas de noivado, casamento, 15 anos, bodas disso ou daquilo, bota-foras, participe do aniversário de formatura de sua turma, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba, compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows, cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo.
  • Escolha roupas diferentes, não pinte a casa da mesma cor, faça diferente.
  • Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes.
  • Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes.
  • Seja diferente. 
  • Se você tiver dinheiro, especialmente se já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou amigos para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos… Em outras palavras… VIVA.
  • Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo. 
  • E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais V-I-V-O… Do que a maioria dos livros da vida que existem por aí.
  • Cerque-se de amigos. 
  • Amigos com gostos diferentes, vindos de lugares diferentes, com religiões diferentes e que gostam de comidas diferentes. 

Enfim, acho que você já entendeu o recado, não é?

Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção, rituais e vida.

E SCREV A  em tAmaNhos diFeRenTes em 

CorES di fE rEn tEs!

CRIE,  RECORTE,  PINTE,  RASGUE,  MOLHE,  DOBRE,  PICOTE,  INVENTE,  REINVENTE…

Fonte: Artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo

Pesquisadores da Universidade de Tohoku, no Japão, concluíram que pilotar uma motocicleta faz bem para o cérebro e, consequentemente, para a memória. Na visão dos estudiosos nipônicos, rodar de moto é uma boa “ginástica” para a função cerebral.

O estudo, realizado pela Universidade de Tohoku, em colaboração com a Yamaha, acompanhou a atividade cerebral de 22 homens, observando todos os “passos” na ativação das áreas frontais do cérebro responsáveis pela memória, gestão da informação e concentração.

Em um teste em separado, a equipe de cientistas, coordenada pelo professor Ryuta Kawashima, avaliou o comportamento de 22 homens divididos em dois grupos. Onze pilotaram motocicletas por dois meses consecutivos e os demais dirigiram automóveis.

De acordo com os resultados da pesquisa, os motociclistas apresentaram melhorias significativas na memória, na capacidade de julgar espaço e outras características típicas das áreas frontais do cérebro.

“Pilotar uma moto requer equilíbrio e outras funções sensoriais de controle”, afirma o professor Kawashima explica. “O cérebro de um motociclista pode tornar-se mais ativo para processar todas estas informações durante a condução”.

:: Richard A. Friedman ::
Tradução: Eloise De Vylder

Como todo mundo sabe, sexo é bom.

Será? Nos últimos anos, recebi vários pacientes para quem o sexo não apenas não é prazeroso; mas de fato parece fazer mal.

Um deles, um jovem de 20 e poucos anos, descreveu dessa maneira: “Depois do sexo, eu me sinto literalmente dolorido e deprimido por cerca de um dia inteiro”.

Do contrário, ele tem uma ficha limpa de saúde, tanto médica quanto psiquiátrica: bem ajustado, trabalhador, com muitos amigos e uma família unida.

Acreditem, eu poderia ter fabricado uma explicação muito facilmente. Ele tinha conflitos escondidos em relação ao sexo, ou tinha sentimentos ambivalentes em relação a sua parceira. Quem não tem?

Mas pesquisei o quanto pude para encontrar uma boa explicação, e não consegui achar nenhuma. Apesar de seus sintomas e ansiedade serem bastante reais, disse que ele não tinha nenhum problema psiquiátrico importante que necessitasse de tratamento. Ele ficou claramente desapontado ao deixar meu consultório.

Não pensei muito sobre o caso até algum tempo depois, quando conheci outra paciente com uma queixa similar. Era uma mulher de 32 anos que passava por períodos de quatro a seis horas de depressão intensa e irritabilidade depois de um orgasmo, sozinha ou com um parceiro. Era tão ruim que ela estava começando a evitar o sexo.

Recentemente, um colega psicanalista – um homem conhecido por sua capacidade de desvendar psicopatologias – telefonou para mim sobre outro caso. Ele estava intrigado com uma mulher de 24 anos que ele considerava psiquiatricamente saudável, exceto por uma intensa depressão que durava várias horas depois do sexo.

Não há nada estranho em sentir um pouco de tristeza depois do prazer sexual. Conforme diz o ditado, depois do sexo os animais ficam tristes. Mas esses pacientes experimentavam uma intensa disforia que durava muito tempo e era muito perturbadora para ser descartada como simples tristeza.

Ainda assim, é difícil resistir à tentação de especular sobre explicações psicológicas em relação ao comportamento sexual. Os psiquiatras gostam de brincar que tudo está relacionado ao sexo, exceto o próprio sexo, o que é outra forma de dizer que praticamente todo comportamento humano é permeado por um significado sexual escondido.

Talvez, mas eu me perguntava se nesses casos, não seria algo menos profundo como um simples desvio na neurobiologia do sexo que fazia com que esses pacientes se sentissem tão mal.

Pouco se sabe sobre o que acontece no cérebro durante o sexo. Em 2005, o Dr. Gert Holstege da Universidade de Groningen na Holanda usou a tomografia por emissão de pósitrons para escanear o cérebro de homens e mulheres durante o orgasmo. Ele descobriu, entre outras mudanças, uma diminuição drástica de atividade na amígdala, a região do cérebro envolvida no processamento dos estímulos de medo. Além de causar prazer, o sexo claramente reduz o medo e a ansiedade.

(mais…)

obesidade_balancaA obesidade poderia ser “uma coisa mental”, em vez de uma disfunção metabólica, afirma um novo estudo que revela a existência de seis genes vinculados a essa condição.

No total, cinco dos genes estão ativos no cérebro, motivo pelo qual os cientistas crêem que a descoberta poderia possibilitar novos tratamentos com o objetivo de modificar a atitude mental das pessoas diante dos alimentos, e não o desejo de comer.

O estudo, publicado na revista “Nature Genetics”, tomou como base a análise genética de 90 mil pessoas cujo DNA foi analisado em busca de mínimas mutações e comparado com seu índice de massa corporal.

Os especialistas descobriram seis variantes genéticas que parecem estar na origem de um pequeno, mas significativo, aumento do peso.

Se uma pessoa possuísse as seis variantes, pesaria de um quilo e meio a dois quilos a mais que um indivíduo médio.

O fato de cinco dessas variantes estarem vinculadas a genes ativos no cérebro permite crer que a obesidade tem a ver com esse órgão.

“É surpreendente que seja o cérebro -e não o tecido adiposo ou os processos digestivos- o mais influenciado normalmente pela variação genética na obesidade”, afirma Inês Barroso, do Wellcome Trust Sanger Institute, perto de Cambridge, Reino Unido.

obesidadeCalcula-se que entre 40% e 70% da variação do índice de massa corporal seja causado pelos genes, mas até pouco tempo atrás acreditava-se que os genes vinculados à obesidade eram os que modificavam a fisiologia do corpo, como o LEP, responsável pelo hormônio leptina, que modula o consumo e gasto energético.

Segundo Ruth Loos, da Unidade de Epidemiologia do Conselho de Pesquisas Médicas do Reino Unido, as mutações que acontecem nos genes ativos no hipotálamo têm forte influência no peso das pessoas.

“As pessoas portadoras dessas mutações são muito obesas. Tais mutações podem ser consideradas excepcionais, mas achamos que pode ocorrer algo similar no caso da obesidade comum. Muitos, se não a maioria dos genes associados ao aumento do índice da massa corporal, estão ativos no cérebro”, ressaltou Loos.

Fonte: EFE