Arquivo da categoria ‘Saúde’

caminhar-620x330Caminhar é uma atividade aeróbica perfeita: fácil, leve, melhora o seu astral e é capaz de proporcionar saúde, beleza e boa forma. Pode ser praticado por qualquer pessoa, independentemente da idade e do condicionamento físico. Além de ser a mais segura de todas as atividades aeróbicas — tanto sob o ponto de vista cardiovascular como ortopédico. Dificilmente sobrecarrega o coração e o risco de lesionar as articulações — em especial nos joelhos e tornozelos — é bem menor.

Especialistas afirmam que caminhar durante 30 minutos, 3 vezes por semana, pode ser tão eficiente no tratamento de depressão aguda quanto a utilização de medicamentos. Além de evitar doenças e melhorar a qualidade de vida. Para evitar dúvidas, é importante consultar um profissional da área de Educação Física e fazer uma avaliação médica.

Benefícios da Caminhada

  • Melhora a circulação sanguínea
  • Diminui os riscos de problemas cardíacos
  • Melhora a ansiedade e o estresse
  • Auxilia nas dietas de emagrecimento
  • Ajuda a tonificar e fortalecer os músculos
  • Reduz a pressão sanguínea e os níveis de colesterol no sangue
  • Evita o aparecimento da osteoporose
  • Combate o diabetes
  • Melhora o nível de condicionamento físico
  • Aumenta a imunidade do organismo
Anúncios

caminharO prazer de caminhar atraiu pensadores como Kant, Thoreau, Nietzsche e Rousseau. Cada qual o fazia de forma diferente. O poeta francês Rimbaud andava de maneira dispersa e desorganizada, com uma energia raivosa. Já Nietzsche dava a seus passos o tom de marcha. Kant era metódico e sistemático: saia todo dia, à mesma hora, e seguia a mesma rota. O que todos tinham em comum era que transferiram seus escritórios para o campo, onde as ideias fluíam livremente em plena natureza.

Para o filósofo francês, Frederic Gros, autor de “Caminhar. Uma Filosofia”, andar é uma atividade que atrai um número cada vez maior de adeptos por proporcionar relaxamento, comunhão com a natureza, plenitude. E não requer aprendizagem, técnica, equipamento e dinheiro, apenas um corpo, espaço e tempo. No livro, o especialista em psiquiatria, filosofia penal e editor dos últimos cursos de Michel Foucault no Collège de France explora a literatura, a história e a filosofia, e escreve um tratado filosófico e uma definição sobre a arte de caminhar.

Quando você começou a caminhar?
Foi relativamente tarde, aos 20 anos. Foram alguns amigos que me convenceram. Quando eu era criança, gostava de ir sozinho para as montanhas, mas a verdade é que o passeio consistente como uma excursão, veio mais tarde. Minha primeira experiência importante foi no verão quando eu dei uma volta pela Córsega. Eu andei a estrada GR-20. Foi difícil, mas a aliança entre as altas montanhas e o mar fez com que fosse maravilhoso.

Quantos quilômetros fez?
Éramos em sete pessoas e durou 15 dias, mas não sei quantos quilômetros fizemos. A verdade é que, quando se caminha não se conta, porque a dificuldade das trilhas faz você percorrer às vezes, poucos quilômetros em um dia. Quando se caminha mais fácil, através de estradas planas, como os andarilhos, a média é de 40 quilômetros por dia.

E o que acha dos aplicativos que calculam a distância e até mesmo as calorias consumidas?
Não uso. O importante é ter uma visão geral e que você só consegue com um mapa desdobrável. Em relação as calorias, quando se caminha sete ou mais horas, a maior preocupação é chegar ao próximo abrigo.

Em seu ensaio você associa a caminhada com grandes filósofos, por quê?
Esses pensadores transformaram as montanhas e florestas em locais de trabalho. Para eles, o andar não era um esporte ou um passeio turístico. Realmente, eles saíam com seus cadernos e lápis para encontrar novas ideias. Solidão era uma das condições para a criação.

caminharE a relação entre a caminhadas e as suas ideias?
Existem maneiras de caminhar que na verdade são estilos filosóficos. Por exemplo: Kant era sério e disciplinado, e é um filósofo que exige provas muito rigorosas com definições estritas. Ele tinha um jeito de andar que consistia em fazer todos os dias a mesma caminhada, na mesma hora. A escrita de Nietzsche, muito mais dispersa, com menos coesão, tem a ver com o fato de que ele procurava com o caminhar, sentimentos de energia e luz. Sua escrita é muito forte e rápida, não tão demonstrativa como a de Kant.

O que você quer dizer quando escreve sobre a perda da identidade que acontece quando se anda?
Bem, os efeitos da intensidade do passeio podem variar. Se você andar por quatro ou seis horas você está acompanhado de si mesmo, você pode dar atenção às suas memórias ou ter novas ideias. Mas depois de oito ou nove horas, o cansaço é tal que já não se sente o corpo. Toda a concentração é dirigida para o impulso de avançar. É quando ocorre a perda de identidade, devido à fadiga extrema. Caminhamos para nos reinventar, para nos dar outras identidades, outras possibilidades. Acima de tudo, ao nosso papel social. Na vida diária tudo está associado a função, uma profissão, um discurso, uma postura. Andar a pé é se livrar disso tudo. No final, a caminhada é não mais do que uma relação entre um corpo, uma paisagem e uma trilha.

Mas cada vez se anda menos, especialmente nas cidades, onde cada vez mais pessoas vivem.
No Terceiro Mundo, ao contrário, se anda muito. Mas é verdade que nas cidades isto está desaparecendo. Elas não são feitas para os pedestres.

Os jovens também não andam a pé.
As novas gerações consideram, e eles podem estar certos, que você tem que ser louco para ir aos lugares a pé, especialmente quando têm à disposição todos os tipos de invenções técnicas que fazem com que não tenham que andar. Para eles, a caminhada é um pouco monótona, em parte porque eles se acostumaram a mudar as telas de imagens que usam muito rapidamente e, quando andamos, as paisagens evoluem muito lentamente. Além disso, quando caminhamos, é sempre a mesma coisa.

E isso é visto como chato.
Para algumas pessoas, a caminhada é o exato oposto do significado de prazer porque nós tendemos a comparar prazer com excitação. E para que haja excitação é preciso uma novidade. Diante disso, descobrir o prazer de caminhar pode ser algo completamente exótico. Descobre-se uma dimensão que hoje está praticamente banida de nossa vida: a lentidão, a presença física. Durante a caminhada, todos os sentidos estão presentes: ouvimos os ruídos da floresta, se percebem as luzes.

E quem mais caminha são os aposentados?
Os sábios de antigamente tinham um ditado que pode nos surpreender hoje, “tenha pressa para chegar à velhice.” Eles consideravam que a velhice seria o tempo de vida em que poderíamos nos livrar de tudo e nos envolver com o cuidar de nós mesmos, le souci de soi (a atenção para si, apud Michel Foucault ), cura sui em latim. A caminhada também não tem nada de violenta ou brutal. Há uma regularidade nela que tranquiliza, acalma. E isso está longe de qualquer busca de resultado. Assim, a primeira frase do livro é “andar não é um esporte.” Não faça marcas, não tente superar a si mesmo. Andar a pé é uma experiência autêntica, embora talvez não seja moderna.

Andar libertou você da vida acadêmica? Eu li que você está preparando um livro sobre a desobediência.
Thoreau escreveu o primeiro livro em pé e, curiosamente, também escreveu o primeiro livro sobre a desobediência civil. É verdade que a caminhada nos ensina a desobedecer. Porque andar nos obriga a ter uma distância que é também uma distância crítica. No mundo acadêmico, todo mundo é obrigado a provar o que diz. Neste livro eu queria explorar sonhos. A provocação que faço aos pensadores, é que você não é o que você pensa, mas como você anda. Eu não queria voltar para as doutrinas, mas sim explorar os estilos.

***
Fonte: El Mundo

Por Eduardo Shinyashiki*

Reprodução – Imagem Google

Reprodução – Imagem Google

Quantas vezes nós tentamos atingir um objetivo e não conseguimos, falhamos em busca de um resultado importante ou simplesmente não temos sucesso ao tentar mudar uma situação, mesmo nos esforçando muito para isso? Diante de tais circunstâncias geralmente o ser humano tende a reagir com uma emoção bem específica: a frustração.

Esse sentimento é uma mistura terrível de profunda insatisfação com impotência e raiva. O trabalho é uma das áreas onde esse mix de sensações é mais vivenciado. A frustração leva o profissional a se sentir bloqueado em seu agir e, mesmo consciente que não está conquistando o resultado, não identifica o que fazer para melhorar a situação e continua assim, insistindo em ações inadequadas.

Mas como sair desse impasse? Como fortalecer a inteligência emocional e o autoconhecimento para estimular a automotivação e a persistência diante das decepções? Como lidar com as frustrações sem se sentir inseguro para crescer e melhorar constantemente?

Não basta apenas talento ou competência, é importante que se tenha pleno domínio sobre os sentimentos e as emoções. Para isso, algumas considerações se tornam essenciais:
• Às vezes é preciso dar um passo para trás e olhar como um todo para a situação que nos cria frustração. Assim como ensina o princípio base de judô, do Mestre Kano, é necessário que o aluno recue quando for atacado pelo adversário, para depois atacar com a mesma força. Isto é, ceder inicialmente para atingir a vitória final.

• Utilizar o sentimento de frustração a seu favor. Os antigos sabiam usar a frustração para obter resultados extraordinários. Alexandre, o Grande, por exemplo, na guerra contra a Pérsia, mandou queimar os próprios navios, colocando seus soldados em uma situação de extrema impotência e raiva para que eles tivessem ainda mais garra e motivação para conquistar os navios inimigos, caso quisessem voltar para casa. Dessa forma, a vitória foi conquistada mesmo com um número menor de soldados.

• Como dizia o filósofo chinês, Sun Tzu, conhecido por sua obra A Arte da Guerra: “A um inimigo cercado deve-se deixar uma via de escape”, pois se o inimigo enxerga uma saída, ele se retira, mas se não tivesse a via de escape, segundo o filósofo, ele entraria em uma situação de profunda frustração e utilizaria todas as suas forças para se defender e combater ao extremo em busca da vitória.

• Manter o foco no que se deseja realizar e não no que se quer evitar. O resultado é fruto de onde você vai centralizar a atenção. Regue com sua concentração as flores do seu jardim e não as ervas daninhas dos pensamentos negativos. Cuide da sua atitude mental: foque seus pensamentos em direção às soluções positivas.

É possível encarar os momentos de frustração como aprendizado e desafio a ser superado, rompendo assim com a visão limitada da vida de erros e acertos. Com isso, podemos continuar no caminho da realização com maturidade e confiança para atingir os resultados escolhidos.

* Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos,  escritor e autor de livros .

 

Por Maria Luiza Blanques Petty de Siqueira*

Reprodução – Imagem Google

Reprodução – Imagem Google

A Páscoa está chegando e, nesta época, surge uma legítima preocupação com os excessos. A grande oferta de ovos de chocolate, embrulhados em atrativas embalagens e, muitas vezes, acompanhados de brindes, faz com que muitas crianças exagerem no consumo de chocolate e ganhem peso acima do esperado.
O chocolate contém grandes quantidades de gordura e açúcar e, portanto, é um alimento bastante calórico. Além disso, alguns deles têm, em sua composição, gordura hidrogenada, reconhecidamente relacionada ao aumento da fração prejudicial do colesterol (LDL – colesterol).
Apesar dessas características, é possível desfrutar da Páscoa sem prejuízos à saúde. Para isso, seguem algumas recomendações aos pais:

Foto de  Matheus Tagé DL

Foto de Matheus Tagé DL

– Presenteie seu filho com um ovo de Páscoa de tamanho pequeno. Lembre- se: o tamanho do ovo não é diretamente proporcional ao amor pela criança. Comprar um ovo que tenha as características que a criança prefere (tipo de chocolate, personagem, bombom do recheio, etc.) fará com que ela se sinta suficientemente presenteada. 

– Converse com os familiares e amigos sobre os excessos. É bastante comum a criança ganhar um ovo de cada avô/avó, dos padrinhos, de amigos e de outras pessoas, fazendo com que ela tenha uma oferta muito grande de chocolate em casa e acabe consumindo exageradamente esse tipo de alimento.

– Caso a criança ganhe muitos ovos de Páscoa, converse com ela sobre a possibilidade de dar alguns a outras crianças ou procure congelar uma parte para que eles sejam consumidos ao longo dos próximos meses, até a data de vencimento do chocolate.

– Estabeleça limites para o consumo diário de chocolate. Um pedaço de mais ou menos 20g de ovo de Páscoa não recheado pode ser uma quantidade adequada de chocolate por dia.

– Oriente a criança a comer o pedaço de ovo de chocolate após as refeições principais ou nos momentos dos lanches e nunca enquanto estiver assistindo televisão ou usando o computador. Comer realizando outra atividade faz com que o indivíduo consuma o alimento rapidamente, sem prestar atenção nele, havendo necessidade de maiores quantidades para ficar satisfeito.

Apesar do excesso de oferta dos ovos de chocolate, a Páscoa pode ser uma boa oportunidade para a criança experimentar, ou comer mais uma vez, um delicioso bacalhau regado com azeite de oliva e acompanhado de legumes. Além de muito saborosos, são alimentos que contribuem para a saúde.

* Nutricionista Supervisora do Ambulatório de Obesidade da Disciplina de Nutrologia do Departamento de Pediatria da UNIFESP, Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UNIFESP, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UNIFESP, Membro do GENTA (Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares)

gula (1)A vontade de comer algo que não se sabe, mesmo depois de uma refeição pode não ser gula e sim a síndrome da fome oculta, um alerta do seu corpo sobre um déficit nutricional. Ela é chamada de oculta porque sinaliza a fome do organismo por nutrientes e o organismo dá sinais da falta de elementos importantes para o seu bom funcionamento. “Pequenas quantidades de certas vitaminas e minerais, também conhecidos como micronutrientes, são componente essenciais de uma boa saúde. A fome oculta é uma crônica falta destes nutrientes, que pode levar a defeitos de nascimento, deficiência física e mental e impedir o crescimento. Mesmo quando as pessoas comem calorias suficientes, as vitaminas e minerais essenciais na dieta podem estar faltando”, explica o Dr. Eric Cohen, representante no Brasil do GAIN para o projeto Ultra Rice –PATH, onde colidera esforços para tornar o arroz fortificado amplamente acessível no Brasil por meio de parcerias público-privadas
A fome oculta afeta o crescimento físico e cognitivo da criança, assim como o seu sistema imunológico durante os primeiros anos de formação. Anemia e carência de vitamina A afetam milhões de brasileiros, quase a metade da população de crianças e mulheres grávidas. Dados da Organização Mundial da Saúde revelam que, no mundo, ela afeta uma em cada quatro pessoas.
Gula pode ser um sinal do corpo alertando para a falta de nutrientes.Até mesmo uma dieta adequada em calorias, proteínas e carboidratos pode ter sérias deficiências de vitaminas e minerais. Países desenvolvidos têm combatido a fome oculta desde a década de 40, erradicando com sucesso muitas doenças na América do Norte e na Europa.
Embora o Brasil registre melhorias nos índices sociais, a fome oculta ainda afeta 40% das crianças brasileiras. As deficiências em minerais e vitaminas essenciais possuem efeitos desastrosos na saúde e economia do Brasil e de outras nações ao redor do mundo.
Segundo a nutricionista Alessandra Rocha Lopes, em entrevista ao CyberDiet, entre os fatores causadores da Síndrome da Fome Oculta, soma-se à alimentação deficiente em nutrientes o estresse diário e o consumo de álcool, cigarro e outras drogas. Quem sofre de doenças crônicas, está com a saúde debilitada ou passou por tratamento cirúrgico acaba por não absorver devidamente os sais minerais e vitaminas dos quais precisa e termina desenvolvendo a síndrome.
Outros sintomas como dores musculares, cãibras, cansaço intenso, fraqueza, palpitações e irritabilidade também podem indicar a presença da Síndrome da Fome Oculta, sendo que a falta de vitaminas pode provocar sangramento vaginal, pele opaca, ressecamento das mucosas, queda de cabelo, flacidez, unhas manchadas e quebradiças, entre outros sinais. “A fome oculta também pode ser diagnosticada através de exames clínicos e de sangue, pois permitem a detecção de deficiências específicas de micronutrientes essenciais como a vitamina A, B e ferro”, segundo Eric Cohen.
Fonte: Paula Furlan – Consumidor Moderno
:: Por Rosan Faria de Freitas ::
Enquanto o pessimista tende a ver e vivenciar o negativo, o otimista pode vislumbrar tudo cor-de-rosa e não perceber alguns riscos; o importante é encontrar o equilíbrio
É fato, no senso comum, que há pessoas otimistas e pessimistas, avaliadas assim a partir do comportamento que apresentam. No primeiro caso, eles são mais positivos e esperançosos; no segundo, negativos e pautados pelo desânimo.
No âmbito da psicologia, tais características têm relação com a capacidade de lidar com os instintos de vida e de morte presentes na psique humana, explica Cristiane Moraes Pertusi, doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em psicologia clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), certificada em coaching pela ASTD, nos Estados Unidos.
Segundo a teoria psicanalítica, o homem carrega, dentro de sua estrutura emocional, estas duas forças pulsões ou instintos, havendo uma ambivalência nas dobradinhas alegria e tristeza, amor e ódio, afeto e agressividade.
“Então, na perspectiva clínica, o otimista teria maior predominância de instintos de vida e o pessimista de instintos de morte. Ambos ficam fora do campo da consciência em um primeiro momento, e são estimulados de acordo com as questões culturais, sociais e familiares.?
Além dos pulsões de vida e de morte, há que se considerar outros fatores, como os fisiológicos: os níveis de hormônios que regulam o humor, por exemplo. A cultura também conta: nas muito rígidas, como as japonesas, a vida é encarada com seriedade e rigor, o que leva a um alto índice de suicídios e nos mostra a pressão psíquica que gera comportamentos autodestrutivos.
A questão ambiental igualmente tem sua parcela de responsabilidade, como as relações no meio familiar, principalmente as primeiras, com pai e mãe, salienta Cristiane Pertusi.
Não há como negar: o otimista vê o horizonte com mais leveza e, na maioria das vezes, tem mais coragem para enfrentar as dificuldades, criando e percebendo possibilidades para melhorar sua vida. ?Eles acreditam mais, aprendem com os problemas e experiências ruins, tendem a levar uma vida mais saudável e, logo, ficam menos doentes, acredita Regiane Machado, psicóloga clínica formada pela Universidade Católica de Santos.
Cérebro produz boas mensagens
Mas será que o otimismo, e o seu oposto, perduram pela vida afora? De uma maneira geral, sim. Indivíduos com comportamentos “para cima” acumulam experiências positivas desde a infância, assim como maior autoestima. Muito provavelmente tiveram, no contato com pais e cuidadores, estímulos para uma postura feliz. Internamente, sua psique e seu processo cerebral estão mais habituados a produzir mensagens positivas?, observa Cristiane Pertusi.
E não é só isso: o otimista saudável apresenta mais condições de perceber o mundo e suas relações de maneira inteira e realista, sem distorcer o horizonte, assim como dispõe de um suporte maior para lidar com as vicissitudes sem se sentir derrotado.
O pessimismo, por outro lado, dependendo da dimensão, pode trazer prejuízos até físicos, causando depressão e doenças psicossomáticas ou autoimunes.
É possível que provoque alterações bioquímicas nas células corporais. Além da baixa autoestima, a pessoa não se respeita, tem uma autoimagem distorcida, dificuldades de relacionamento e, consequentemente, uma vida social limitada e que não a satisfaz?, analisa Regiane Machado, enfatizando a necessidade de cautela em ambos os perfis se os mesmos forem extremados.
Enquanto o pessimista tende a ver e vivenciar o negativo, o otimista pode vislumbrar tudo cor-de-rosa e não perceber alguns riscos no dia-a-dia.? Veja, a seguir, conselhos para ser um otimista equilibrado.
Fonte: UOL Saúde

Alimentos in natura são mais saudáveis?

Publicado: 06/09/2012 por Elisa em Atualidades, Saúde

Alimentos naturais são instintivamente a primeira escolha de quem busca uma dieta saudável, mas na prática eles podem não ser tão seguros e balanceados. A demonização dos produtos alimentícios industrializados contribui para que essa idéia se propague, mas o programa Minha Escolha, que reúne diversos fabricantes de alimentos com níveis seguros de sódio, gordura trans, gordura saturada e açúcares, procura desvelar o mito de que todos os produtos industrializados são nocivos à saúde.

De acordo com a coordenadora de nutrição do Instituto Minha Escolha, Carolina Godoy, é equivocado pensar que todos os alimentos naturais ou receitas feitas em casa são saudáveis e podem ser consumidos à vontade. “Atualmente, a indústria tem várias iniciativas voltadas para a saudabilidade e incluir equilíbrio na dieta é a chave para a saúde do corpo”.

O selo Minha Escolha é a vertente brasileira da Choices International Foundation, foi fundado em 2008 pelas empresas Unilever, Perdigão e Nutrimental. É gerenciada pelo Instituto Minha Escolha, criado em julho de 2009, que define os critérios de seleção para que as marcas recebam ou não o selo “Minha Escolha”.

O objetivo do programa é facilitar a introdução global do selo nas indústrias, distribuidoras e prestadoras de serviços alimentícios. O Instituto conta com uma equipe própria para coordenar o Programa e a sua implementação no Brasil junto a todas as frentes: empresas, governos, consumidores, profissionais de saúde e varejo.

A indústria alimentícia tem tomado mais cuidado com os malefícios causados pela alimentação, especialmente após a resolução da ANVISA, RDC n° 24 (29/06/10), que obriga a indústria e comércio de alimentos que oferecem risco à saúde, como açúcares, gordura saturada, gordura trans, sódio e bebidas com baixo teor nutricional, a informarem esses dados em ações de oferta, como propaganda, publicidade, cardápios e embalagens.

Além disso, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) comprovam que quase metade da população adulta brasileira, com 20 anos ou mais, está acima do peso, aproximadamente 24% da população brasileira foi diagnosticada com hipertensão arterial e 5,8% afirmaram sofrer de diabetes.

No entanto, a nutricionista Roberta Stella, do portal Dieta & Saúde, alerta que é inadequado estimular a substituição dos alimentos naturais. “A adição de fibras, ácido graxo ômega 3, cálcio e vitaminas nos alimentos melhoram a qualidade nutricional do produtos entretanto, não é pertinente a comparação. Substituir um peixe rico em ômega 3 por uma maionese com esse nutriente? Uma fruta por um iogurte com fibras? Primeiro, porque são grupos alimentares diferentes com características particulares e, segundo, que a quantidade desses nutrientes em um alimento in natura, normalmente, é maior”, diz a nutricionista.

A especialista também ressalta que apesar de muitos alimentos industrializados terem funções benéficas ou diminuição de ingredientes que prejudicam a saúde, outros elementos podem ser nocivos, como corantes e conservantes, especialmente para quem sofre com alergias.

Fonte: Consumidor Moderno