Skate, mais do que manobras em uma prancha com quatro rodinhas. Um estilo de vida.

Publicado: 27/04/2009 por Andrew em Atualidades, Esportes Radicais & Semi
Tags:, ,

Muitos definem o skate (pronuncia-se skêit) como um desporto inventado na Califórnia que consiste em deslizar sobre o solo e obstáculos equilibrando-se numa prancha, chamada shape (ingl. deck), dotada de quatro pequenas rodas e dois eixos chamados de “trucks”. Com o skate executam-se manobras, com baixos a altos graus de dificuldade. No Brasil o praticante de skate recebe o nome de skatista, enquanto que em Portugal chama-se skater. O skate é considerado esporte radical, dado seu aspecto criativo, cuja proficiência é verificada pelo grau de dificuldade dos movimentos executados.

Depois de muita batalha, altos e baixos, preconceitos, falta de incentivo e apoio, os desbravadores do skate conseguiram romper as barreiras e dar a credibilidade que hoje o esporte tem. Para muitos, o skate não é só um esporte e sim, uma filosofia, ESTILO DE VIDA.

A história

No início da década de 1960, os surfistas da Califórnia queriam fazer das pranchas um divertimento também nas ruas, em uma época de marés baixas e seca na região. Inicialmente, a nova “maneira de surfar” foi chamada de sidewalk surf. Em 1965, surgiram os primeiros campeonatos, mas o skate só ficou mais reconhecido uma década depois.

Em 1973, o norte-americano Frank Naswortly inventou as rodinhas de uretano, que revolucionaram o esporte. Um skate passou a pesar por volta de 2,5 kg.

O primeiro skatista nipo-brasileiro a chegar ao Brasil foi Jun Hashimoto em 1975, o mesmo abriu as portas para três gerações de descendetes japoneses no skate. Nome importante de skatista brasileiro Lincoln Ueda. Por volta do ano 1975, um grupo de garotos revolucionou ainda mais o skate realizando manobras do surf sobre ele. Esses garotos eram os lendários Z-boys da tambêm lendária equipe Zephyr. Essa equipe era de Venice,Califórnia,lugar o qual chamavam de Dogtown.

Em 1979, Alan Gelfand inventou o Ollie-Air, manobra com a qual os skatistas ultrapassam obstáculos elevados. A partir disso, o skate nunca mais foi o mesmo. Essa manobra possibilitou uma abordagem inacreditavelmente infinita por parte dos skatistas. Não se pratica Street Style sem o domínio do Ollie-Air.

Na década de 1980, um dos revolucionários do esporte, principalmente na modalidade freestyle foi Rodney Mullen. Mullen desenvolveu várias manobras como flip, heelflip, hardflip, kickflip, casper, darkslide, rockslide, 50-50, body varial, nollieflip underflip, primo, reemo, varialflip, inward heelflip, 360 flip, fs flip, bs flip, varial heelflip, fs heelflip, bs heelflip, etc. Grande parte das atualmente são derivadas destas manobras. Rodney Mullen foi diversas vezes campeão mundial, chegando a ser considerado o melhor skater do mundo na sua modalidade. Outro revolucionário, na modalidade Vertical, foi Tony Hawk. Hawk inovou a maneira como os skatistas devem abordar o Half-Pipe, sempre procurando ultrapassar o limites de criatividade e dificuldade de execução das manobras. É tido como o maior skatista de todos os tempos na modalidade.

w_h_05_skate02_2Nos anos 90, o brasileiro Bob Burnquist elaborou a última grande revolução no Skate: o Switchstance vertical. Essa é a técnica de se praticar Skate com a base trocada. Já era difundida na modalidade street mas Bob foi o primeiro a popularizá-la na modalidade vertical. A partir daí, o Skate passou a não ter mais “lado”, ou seja, não existe mais o lado da frente nem o lado de trás. As manobras realizadas com pé direito na frente do Skate, agora também são realizadas com o pé esquerdo na frente. Essa técnica quadruplicou o número de variações possíveis nas manobras. Para um skatista que deseja competir, é imprescindível o domínio de tal técnica.

Em 1995, Digo Menezes conquista o primeiro título mundial de vertical para o Brasil. Em março de 1999 foi fundada em Curitiba a CBSk Confederação Brasileira de Skate, a entidade que regulamenta as normas e políticas voltadas ao desenvolvimento do skate (skateboard) no território brasileiro.

É fundada em São Paulo a Associação Brasileira de Skate Feminino, por skatistas femininas, seu primeiro circuito ocorreu em 2005.

Em 2001 Og de Souza um skatista que na sua infância sofria de poliomielite, foi citado nas revistas Tribo Skate, CemporcentoSKATE entre outras em 2001 ganha o campeonato profissional no Best Trick (se deriva da palavra que vem do inglês) mesmo que melhor manobra.

dogtown5zr1Cultura

No filme The Lords of Dogtown and Z-Boys é possível conhecer um pouco da história do skate e conta a história dos Z-Boys, um grupo de skatistas dos anos 70 que revolucionaram o esporte.

Um livro que conta a história do skate no Brasil, é o livro A Onda Dura. O Livro percorre desde os primórdios do esporte até os anos 2000, contendo diversas imagens.

Partes do skate

O skate é formado por oito partes, todas fundamentais para um bom funcionamento, são elas:

Shape – É a tábua de madeira que serve como base para as manobras. Composto por madeira leve e resistente disposto em folhas. Existem hoje vários tipos, com pouco ou muita inclinação, ou com pouca ou muita largura, podendo escolher-se o que mais se adequa a cada tipo de manobras e estilo. A tábua possui um nose e um tail, ambos são extremidades da tábua, sendo o nose a parte dianteira e o tail a parte traseira. O côncave da tábua é a curvatura antes do tail e do nose, essa curvatura influencia no tipo de estilo de preferência da pessoa. Também contem diversas formas de cortes.

Mesa – É a peça na qual o truck é encaixado em algumas regiões ela também e chamada de “base”. Há duas mesas em cada skate. Em cada uma das mesas tem uma cavidade onde deve-se colocar as chupetas (parte integrante dos amortecedores)

Trucks – São os eixos do skate, a parte onde se encaixam as rodas, os rolamentos e o amortecedor que ameniza os impactos de um pulo. Os trucks são geralmente confeccionados em alumínio, mas podem ser de material plástico e até mesmo de poliuretano que é o mesmo material utilizado para confecção de rodas de skate.

Amortecedores – São quatro (dois pares por truck) em cada skate: que são postos na partes superiores pontiagudas dos trucks; dois em formatos circulares, que são postos entre a mesa e o truck; é outros dois de forma irregular – uma parte maior do que a outra – que são usados entre o truck e a porca do parafuso central. Os amortecedores recebem uma classificação: Vai de 95 até 100. Noventa e cinco, ou mais próximo de 95(ex.:96,97), são mais macios. Cem, ou mais próximo de 100(ex.:98,99), são mais duros. Esses números vêm acompanhado de uma letra que pode ser: ou A, ou B ou C, Exemplo: 98A. Não existe combinação: 95AB, 97AC, etc.

Rodas – Existem vários tipos de rodas, marcas e tamanhos. Uma marca que é muito boa é a marca Moska muitos gostam dela porque ela dura muito não escorrega muito e é bem redonda.

Rolamentos – Permitem as rodas girarem livremente e portanto o deslize do skate no solo. São confeccionados de ligas de aço e possuem diversas marcas. Existe uma classificação dos rolamentos que é a classificação ABEC. Essa, classifica o rolamento quanto a sua precisão nas dimensões. Uma espécie de certificação de engenharia. Portanto essa certificação ABEC por si própria não classifica os rolamentos quanto os quesitos durabilidade e velocidade. Essas características dependem da qualidade dos componentes, como esferas, gaiolas, lubrificação etc. É perfeitamente possível que um rolamento ABEC 3 de determinada marca corra e dure mais que um ABEC 7 de outra marca por exemplo. Existem também rolamentos sem certificação ABEC porém de marcas conceituadas, como os da “Bones”. Essa classificação é feita a partir de números ímpares de 1 até 11, portanto os “ABECs” existentes são ABEC 1, ABEC 3, ABEC 5, ABEC 7, ABEC 9 e ABEC 11.

Parafusos – Responsáveis por fixar partes do skate. São cinco em cada truck, somando um total de dez parafusos: oito para prender as duas mesas; quatro em cada mesa; e dois parafusos centrais (kingpin) – são aqueles parafusos grandes onde são também encaixados dois amortecedores.

Lixa – Fica aderida à superfície da tábua, fazendo com que aumente o atrito entre o calçado e a tábua do skate, possibilitando assim a execução de manobras e impedindo que o calçado deslize involuntariamente sobre a tábua. Essa lixa é como um “adesivo” e é colada em cima da tábua.

Modalidades

Street Style – No skate de rua (street skate), os praticantes utilizam a arquitetura da cidade, por exemplo, bancos, escadas e corrimãos (elementos do mobiliário urbano) como obstáculos para executar suas manobras e se expressar. É com distância a modalidade mais difundida e popular do skate.

Half-Pipe – A modalidade vertical é praticada em uma pista com curvas (transições), com 3,40m ou mais de altura, três metros de raio e quarenta centímetros de verticalização, geralmente possuem extensões. A pista, que apresenta a forma de U, é chamada de half-pipe e pode ser feita de madeira ou concreto.

Pool Riding – É tido como uma das modalidades mais loucas de skate, pois é praticado em piscinas vazias de fundo de quintal, que com suas paredes arredondadas são verdadeiras pistas de skate. Na realidade as pistas de skate em forma de Bowl (bacia) são inspiradas nas piscinas, que tinham a transição redonda: azulejos e coping. O fundo redondo das piscinas americanas é para o caso de a água congelar as paredes não arrebentarem, pois nesse caso o gelo se deslocaria para cima, não fazendo pressão nas paredes. Na década de 70, alguns skatistas da Califórnia, mais precisamente de Santa Mônica, se aventuraram a andar em piscinas vazias, e assim foi criada o Pool Riding que atualmente é uma modalidade underground praticada por alguns skatistas que gostam de transições rápidas. Recentemente, em 1999, a Vans (uma marca de tênis para skatistas) inaugurou uma das maiores pistas da América, onde a atração principal é uma réplica da famosa piscina Combi Pool que ficava na extinta pista de Pipeline em Upland. E já promete outra pista para breve, sempre com a inclusão de piscinas no seu desenho.

Big Air – Modalidade criada por Danny Way que foi adaptada e actualmente é a principal competição do X-Games. Colocando modalidades que também refletem parte do que os skatistas querem mostrar para o mundo, como o fim da disputas do “skate park” e mostrar disputas de “street skate”, em obstáculos que verdadeiramente reproduzem o que os skatistas de street fazem.

Downhill Slide – Modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em asergio-yuppie_profissional-de-downhill-slidelta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano de Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento e puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em pé (Stand-up) de que se tem notícia. Com o passar dos anos, Cliff começou a desenvolver outro tipo de Slide, o Slide de mão, agachado, o qual poderia ser executado em velocidades maiores proporcionando uma maior segurança no Downhill, visto que este slide poderia ser utilizado como uma espécie de freio na descida de ladeiras maiores e/ou mais íngremes. Desenvolvendo a habilidade dos skaters de descer ladeiras cada vez maiores e mais rápidas (naquela época).t Na atualidade, os melhores skatistas nesta modalidade estão no Brasil. Com destaque ao tri campeão mundial Sérgio Yuppie.

Freestyle – Modalidade onde o skatista apresenta várias manobras em seqüência, geralmente no chão. O freestyle é considerado uma das primeiras modalidades do Skate. Cada skatista efetua suas combinações de manobras em um tempo pré-estipulado. Hoje, esta modalidade esta voltando com força no mundo inteiro e os seus principais skatistas ainda são os portugueses chamados Tiago.L (cabelinhos) e Diogo.D (skateman). Muitas manobras do street de hoje em dia,vem do freestyle.

Longboard downhill – Consiste em descer ladeira executando manobras de slide, com um skate maior, chamado Longboard. Com características, bem próximas á modalidade Downhill Slide, no long, o estilo clássico do “surf” é mais explorado, no aproveitamento das laterais das pistas e da própria madeira(Shape). Hoje, com o desenvolvimento técnico não apenas dos equipamentos mais leves, mas da execução das manobras, o longboard downhill consegue equilibrar, agressividade, velocidade e o clássico ao mesmo tempo. Essa modalidade é a que mais comporta mulheres entre as demais encontradas na ladeira. No Brasil, a skatista Christie Aleixo tem destaque e é considerada uma das melhores no mundo nesta modalidade, além de praticar o speed e o slalom.

DownHill Stand-up (SPEED) – Tem como finalidade descer a montanha (ladeira) imprimindo velocidade, os equipamentos necessários para a pratica do Downhill speed são (macacão de courskateo, ténis, luva com casquilho, capacete fechado, e um skate próprio para velocidade), o recordista mundial de velocidade é o brasileiro Douglas (Dalua), Dalua chegou a 113km/h na ladeira mais rápida do mundo no RS-teutônia em outubro de 2007. Ano que também deu um enorme destaque aos “speedeiros” brasileros junto ao ranking mundial da IGSA (Associação internacional de esportes de gravidade). Com destaque no 5º lugar para luiz Lins(T2) e o 10º lugar ao Juliano Cassemiro (Lilica), em um total de aproximadamente 450 pessoas de várias partes do mundo.

Mini-rampas – As mini-rampas são populares em todo o mundo, pois devido a pouca altura que elas possuem, as manobras são executadas com uma maior facilidades. Nesta modalidade, a uma mistura de street com vertical. Na realidade as mini rampas são um mini half pipe, aonde as paredes não chegam ao vertical. Elas variam de 1 a 2 metros e 10 cm de altura. São excelentes para se aprender manobras, principalmente as que utilizam bordas, onde o eixo ou as rodas permanece em contato com o coping (detalhe de acabamento feito por um cano, inspirado nas piscinas americanas de fundo de quintal). Essas pistas são facilmente construídas. O risco de se machucar em uma manobra é bem pequeno e é uma prática necessária para a evolução de qualquer skatista.

Manobras Básicas

As manobras mais simples que as primeiras a se aprender são.

Ollie – Posicione a ponta do pé de trás na parte de tras do skate e o da frente um pouco atrás dos parafusos dianteiros. Agaixe um pouco, preparando-se para impulsionar o corpo para cima. Mantenha os braços ligeiramente abaixado. Bata o tail no chão com força, levando os braços para cima ao mesmo tempo que salta. Incline ligeiramente o corpo para frente. Ao bater o tail, o skate vai subir e você deve jogar o pé da frente para frente, deslizando o peito do pé sobre a lixa, fazendo o skate retornar à posição horizontal. Controle o “vôo”. Após alguma experiência, deixe o skate e o corpo aterrisarem pela força da gravidade, sem forçar. Ao sentir o skate tocar o chão, amorteça a queda, flexionando os joelhos. No começo, é natural que as rodas de trás não saiam do chão. Para que elas subam, você deve bater o tail com toda força e encolher a perna da frente. Depois disso, jogue o pé da frente para frente, deslizando-o sobre a lixa, empurrando o nose e impulsionando o skate, tanto para frente quanto para cima.

Shove-It – Fique na sua base normal. Com o pé do Tail, dê um impulso para trás, e com o pé do nose chute para frente. Junte tudo isso com um pequeno pulinho para frente. Lembre-se, manobra perfeita é aquela que você consegue cair com os pés em cima do parafuso. (Além de ser menos provável que você caia).

Flip – Posicione os pés e flexione os joelhos. Bata o tail e chute o flip, impulsionando o corpo para frente e para cima; O skate deve colar nos pés no alto, e paralelo ao chão (repare a altura que o skate está do chão).  E deve se manter assim até chegar ao chão.  Volte com as quatro rodas ao mesmo tempo, com os pés em cima das bases. Os joelhos flexionados ajudam a absorver o impacto  Mantenha tranqüilidade ao continuar andando

Curiosidades do Skate

  • Proibição do skate na Noruega no período entre 1978 e 1989 – a posse ou venda de skate eram proibidos. A proibição era devido quantidade elevada de ferimentos causados pelo skate. A proibição levou os skatistas construir rampas nas florestas e em outras áreas isolados para evitar a polícia.
  • Militares dos Estados Unidos – relatou-se publicamente que o Corpo de Marines do Estados Unidos testou skate no anos 90 em combate urbano. Mais perto do possível: “Pra manobras dentro de construções/prédios para detectar fios (detectadores de movimento e detonadores de minas) e fogo de atiradores”.
  • Não se sabe ao certo de onde surgiu skate, mas muitos falam que veio do surf, outros dos patins quebrados com suas partes se montavam skate em uma madeira.
  • Jason Lee – foi um dos primeiros skatistas a ter seu “pro model shoe”, feito pela Airwalk.
  • Peggy Oki, 1975 – Primeira skatista mulher que se sabe, era do grupo Z-Boys.
  • A primeira múlher a se tornar biskatista profissional foi Patti McGee, no ano de 1965, no mesmo ano foi capa da revista Life Magazine.

Fontes: Para pra Pensar e Wikipédia

Anúncios
comentários
  1. ruan disse:

    Meu nome é Ruan. Ando de skate há dois anos e tenho 10 anos.

  2. Lorenzoide disse:

    Tenho 11 anos sei dar ollie flip e shov it.

  3. Lucas disse:

    Meu nome é Lucas. Gostei da matéria. Pô, muito maneiro. Eu ando de skate faz 9 anos, tenho 20, ando desde os 11. =)

  4. Tony disse:

    Olá, sou o Tony. Ando a um nao já faço kick flip ,shov it, ollie,desço half-pipee. Tenho 13 anos.

  5. Tony disse:

    é be kool andar de skate

  6. pedro disse:

    meu nome é pedro henrique tenho 14 anos ando desde os tereze
    mando um bocado de manobra, mas ultimamnte o flip tem sido um dos maiores obstaculos na minha vida

    agora com essas dicas acho que vou mandar tranquilo

    adorei este site

    parabens aos criadores

    me sigam no twitter
    http://twitter.com/BHPedrinho

    flw

  7. Samantha disse:

    Pow, explicações muito boas, só acho que deveria ter fotos para facilitar a identificação de cada item do skate ^^’

  8. kimberlyn disse:

    eeo ando de sk8 faz 2 anos tenho 17 , só sei fazer ollie e flip kwkdkkkkkkkkkk

  9. ALEX GALLO disse:

    Tenho 48 e comecei a skat ar aos 12 anos e dps passei pro Surf . Hoje o Surf , faco com Long board e skate tenho um long d velocidade que é o k que eu gosto

  10. Lucas Olivera disse:

    tenho 10 anos ando d sk8 faz 8 meses e so sei manda ollie^_^

  11. cara eu adorei esse site . ando de sk8 ha um ano praticamente e ja sei dar flip , heelflip, varial flip . com esse site posso buscar completar o kickflip . meu nome e gabriel e tenho 11 anos.esse site e da hora !!!!!!!!!!!!!!

  12. vinicius disse:

    meu nome e vinicius tentei fazer o ollie nao deu

  13. Eduardo disse:

    otimo o site…
    e como e bom vc ler os comentarios e ver q quem acessa e so gente civilizada e sem akeles trolls pra esculhambar o site…
    mto bom !

  14. pablo disse:

    po ando skate a tres anos e nao mandar o ollie andando e to aprendendo

  15. giovana disse:

    gostei muito valeu tudo oq eu precisei tava aq

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s