O mundo vai acabar em 2012?

Publicado: 10/02/2009 por Kakao Braga em Atualidades, Psicologia & Comportamento
Tags:, , , , ,

São várias as teorias que afirmam que o fim dos tempos está próximo. Planetas em rota de colisão, ETs enlouquecidos, tempestadas solares, profecias, teorias da conspiração. O que há de verdade em tudo isso?  Será que há alguma verdade?

Segundo lendas na internet, Tom Cruise estaria construindo um abrigo subterrâneo de US$ 10 milhões no subsolo de sua mansão no Colorado. O motivo segundo a revista “Star” é que o ator americano acredita que haverá um contato aterrador com extraterrestres em 2012. Aliás, o fim dos tempos já foi abordado exaustivamente pelo cinema,  documentários, livros, DVDs e internet. Em fevereiro foi lançado nos EUA “2012 – Doomsday” (“2012 – O Dia do Juízo Final”) e dois outros filmes devem sair até 2010, um deles sob a batuta do diretor de “Independence Day” (1996), Roland Emmerich. Nos últimos dois anos, pelo menos 18 livros sobre o tema chegaram às prateleiras nos EUA, boa parte com termos como “apocalipse” e “cataclisma mundial” em seus títulos. Por aqui, só no primeiro semestre deste ano foram publicadas três obras. A única coisa que se sabe com certeza, ou quase (afinal há controvérsias) é que em 2012 se encerra o calendário maia, utilizado no auge dessa civilização.

Mas, o que causou esse tumulto todo?
Provavelmente tudo começou com o lançamento, em 1984, de “O Fator Maia”pelo americano José Arguelles do livro . No livro, trazia informações de estudos científicos sobre o fim do calendário maia e suas idéias apocalípticas. Disse que 2012 marcaria o fim do ciclo do Homo sapiens e o início de uma época ecologicamente mais harmoniosa. Tanto que em 1987 realizou um evento chamado “Convergência Harmônica” para meditar e rezar por esse dia tão especial que marcaria tantas mudanças.

Nesses 25 anos, várias pessoas começaram a especular e recorrer a diversas ferramentas, que comprovassem que o ano fatídico era 2012. Um belga combinou a matemática e a mitologia para fazer uma análise comparativa das civilizações maia e egípcia. Concluiu que as duas são originárias de Atlântida e que o fim do mundo será causado por uma mudança no campo magnético da Terra, relacionada ao ciclo de manchas solares. Um ufólogo calculou a distância entre a linha do Equador e a cidade americana de Roswell, onde um disco voador teria caído. Encontrou o valor de 2.012 milhas – sinal, acredita, de que a queda do óvni foi uma mensagem cifrada sobre a data em que os ETs irão se revelar. Outro americano usou drogas psicodélicas e um computador para analisar o I Ching e concluiu que o livro é um calendário de eventos que prevê o fim da história humana em novembro de 2012 (a data foi ajustada depois). Um matemático, também usando um software, encontrou uma profecia codificada no Antigo Testamento falando de um asteróide (ou cometa) que atingiria a Terra. Um jornalista preferiu compilar os dados sobre vulcanismo, terremotos, queda de asteróides, radiação vinda do espaço etc. e concluiu que todos esses eventos devastadores têm forte possibilidade de acontecer em um futuro muito próximo. E é essa discussão, onde cabe tudo, que está entupindo a internet e as prateleiras.

Para o pesquisador inglês Joseph Gelfer, a aposta na mudança seria uma chave para entender essa onda. Gelfer estuda o interesse por 2012 na Austrália e lembra que profecias existem em muitas culturas. “Mas elas se situam num futuro longínquo, não são iminentes. Essa idéia também faz com que algumas das piores características dos nossos tempos, como as guerras ou a mudança climática, sejam vistas como etapas para a transformação”, diz.

Profecia Maia
O calendário de conta longa é apenas um entre os vários que os maias usavam. Assim como os nossos meses, anos e séculos, ele se estrutura em unidades de tempo cada vez maiores. Cada 20 dias formam um “mês”, ou uinal. Cada 18 uinals, 1 tun, ou “ano”, cada 20 tuns faziam um katun e assim sucessivamente. Enquanto o nosso sistema de contagem de séculos não leva a um fim, o calendário de conta longa maia dura cerca de 5.200 anos e se encerra na data 13.0.0.0.0, que para muitos estudiosos (não há um consenso a respeito) corresponde ao nosso 21/12/2012.

Isso não significa que eles esperassem pelo fim do mundo naquele dia. “Os povos ameríndios não tinham apenas uma concepção linear de tempo, que permitisse pensar num fim absoluto”, diz Eduardo Natalino dos Santos, professor de história da América Pré-hispânica da USP. Ele diz que há textos míticos maias que falam em idades anteriores ao aparecimento da humanidade atual, e afirmam que a era atual duraria 5.200 anos. “Mas em nenhum lugar se diz que o ciclo que estamos vivendo seria o último.” A maioria dos estudiosos acredita que, após chegar à data final, o calendário se reiniciaria. Assim como, para nós, o 31 de dezembro é sucedido pelo 1 de janeiro, para eles o dia 22/12/2012 corresponderia ao dia 0.0.0.0.1.

Entre os milhares de textos maias conhecidos, há apenas um que faz menção à data. Uma inscrição encontrada na ruína de Tortuguero (Costa Rica) diz que nela virá à Terra Bolon Yokte K’u, deus associado à guerra e à criação. Um indício indireto da mesma profecia está nos “Livros de Chilam Balam”. Escrita por vários autores após a conquista espanhola, a obra traz previsões para os katuns que, num outro sistema de contagem de tempo, se repetem a cada 256 anos. Para o katun associado a 2012, o livro prevê a chegada de vários seres, entre eles “aquele que vomita sangue” e o deus Kukulcan, muito popular na América Central.

Mas mesmo esses textos talvez não correspondam ao que entendemos por profecias. Natalino diz que, embora os maias tivessem uma visão qualitativa do tempo – havia períodos “benéficos” e “maléficos” – isso não implica que fossem fatalistas. Os finais dos ciclos eram datas religiosamente importantes, pois num deles a idade atual poderia terminar. “Mas os sacerdotes podiam realizar certas práticas que assegurassem a continuidade do mundo”, explica Natalino. Ele diz que no período colonial e depois houve rebeliões populares inspiradas pelas profecias de Chilam Balam. “Mas basta dar um pulo à América Central para ver que os maias de hoje estão cheios de projetos e nem um pouco preocupados com 2012.”

Fonte: Revista Galileu

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s