O Dicionário está repleto de Mitos

Publicado: 22/01/2009 por Kakao Braga em Atualidades, Educação, Filosofia, História
Tags:, , ,

Poucos sabem que o nosso idioma está repleto de palavras originadas a mitologia grego-romana. Vocábulos comuns, muitas vezes, escondem histórias fascinantes.

Janus olhava para o tempo que começava e para o que terminava ao mesmo tempo.

O mês de Janeiro, por exemplo, tem esse nome por ser consagrado a Janus, deus com duas faces que podia olhar ao mesmo tempo o ano que terminava e o que estava começando.

A palavra cereal é uma homenagem a deusa Ceres, que presidia as plantações e colheitas.

Museu é um prédio dedicado às musas, divindades que dirigiam as artes e o conhecimento.

Hypnos era o deus grego do sono.

O vocábulo pânico vem de Pan, deus com pequenos chifres e da cintura para baixo com corpo de bode. Os gregos atribuíam a ele o intenso medo que sentiam os que passavam por lugares desertos, em que o menor ruído era o sinal da presença do deus.

Hypnose tem sua raiz no nome do deus grego do sono, Hypnos, e designa o estado de sonolência associado à hipnose.

Eco era uma ninfa dos bosques e muito falante. Segundo Ovídio, Zeus havia usado do dom da fala de Eco para distrair a esposa, a fim de continuar seu adultério. Hera logo descobriu o ardil e condenou-a a para sempre repetir apenas as últimas palavras das frases que os outros diziam (ecolalia).

A ninfa perdia assim seu mais precioso dom, aquilo que mais amava. Certo dia, vagando Eco pelos bosques, encontrou o belo Narciso por quem caiu de amores. Como não podia falar-lhe, limitou-se a segui-lo, sem ser vista. O jovem, porém, estando perdido no caminho, perguntou: “Tem alguém aqui?” Ao que obteve apenas a resposta: “Aqui, aqui, aqui…”.

Eco se apaixonou por Narciso que não correspondeu seu sentimento.

Narciso intimou a quem respondia para sair do esconderijo. Eco apareceu-lhe e, como não podia falar, usou as mãos para em gestos dizer do grande amor que lhe devotava. Narciso, chateado com a quantidade de pessoas a amarem-no, rejeitou também à bela ninfa.

Acometida pela tristeza de não ter o seu amor correspondido por Narciso, definhou e virou uma pedra. Dela só restou a voz que até hoje responde quando se grita em vales de cavernas.

Segundo outras fontes, Eco era uma ninfa que tinha maravilhosos dons de canto e dança, que desprezava os amores de qualquer homem. O deus Pan dela se enamora, mas obtém-lhe apenas o desdém. Tolhido em sua lascívia, Pan se enfurece, ordenando aos seus seguidores que a matem. Eco foi então estripada, e seus pedaços espalhados por toda a Terra. A deusa da Terra, Gaia, incorporou os pedaços da ninfa, com os restos de sua voz, que repetem as últimas palavras que os outros dizem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s