ImagemQuando você trabalha em um computador por qualquer período de tempo, é comum passar pela experiência de fadiga ocular, visão turva, olhos vermelhos e outros sintomas da síndrome da visão de computador. Isso ocorre porque as demandas visuais de trabalho em um computador são diferentes daquelas associadas com a maioria das outras atividades.

Para quem tem menos de 40 anos de idade, o cansaço visual ou visão turva durante o trabalho de computador pode ser devido a uma incapacidade dos olhos para permanecer focado com precisão na tela ou porque os olhos têm dificuldade para mudar o foco do teclado para a tela e voltar ao teclado em períodos de tempo prolongados. Estes problemas de focagem muitas vezes estão associados com a síndrome da visão de computador. Já para quem passou dos 40, o problema pode ser devido ao aparecimento da presbiopia – a perda de foco relacionada com a idade e que também pode causar sintomas da síndrome da visão de computador.

Para começar, é importante fazer um exame oftalmológico completo para descartar problemas de visão e atualizar o grau dos óculos. Estudos mostram que mesmo pequenas incorreções nas lentes de prescrição podem contribuir para problemas de visão por computador.

Quem não precisa de óculos de grau para a maioria das tarefas e, ainda assim continua a sentir desconforto visual quando utiliza o computador, precisa considerar a compra de óculos personalizados para usar diante das telas. Estes óculos são prescritos especificamente para reduzir o cansaço visual e proporcionar uma visão mais confortável diante do computador.

Embora por vezes sejam chamados de “óculos de leitura de computador”, é melhor chamar de óculos projetado especificamente para o uso do computador ou “óculos de computador” de forma a distingui-los dos tradicionais óculos de leitura convencionais. Óculos de computador colocam o poder da lente de forma ideal para a visualização da tela do computador, onde se necessita de um campo claro de vista, sem a necessidade de esforço da focalização excessiva ou posturas insalubres.

A maioria das pessoas usa óculos para corrigir a visão à distância. Óculos de leitura são prescritos para corrigir a visão de perto. E bifocais são prescritos para pessoas com mais de 40 anos de idade com presbiopia para corrigir perto e longe. Mesmo trifocais e lentes progressivas (que têm algum poder da lente para visão intermediária), muitas vezes não têm uma zona intermediária grande o suficiente para uma visão confortável diante do computador.

Portanto, resista à tentação de comprar óculos de leitura para usar como “óculos de computador”. Porque, para se obter todos os benefícios deste tipo de óculos, o melhor mesmo é ouvir a palavra de um oftalmologista experiente.

Porém, antes de agendar o exame de olho, deve-se medir o quão longe se senta da tela do computador. A medida deve ser feita a partir da ponta do nariz até a superfície da tela do computador. Esta medida deverá ser levada no dia do exame para que o oftalmologista a utilize para determinar o poder da lente ideal para os óculos de computador.

(Fonte: All About Vision)

Por Eduardo Shinyashiki*

Reprodução – Imagem Google

Reprodução – Imagem Google

Quantas vezes nós tentamos atingir um objetivo e não conseguimos, falhamos em busca de um resultado importante ou simplesmente não temos sucesso ao tentar mudar uma situação, mesmo nos esforçando muito para isso? Diante de tais circunstâncias geralmente o ser humano tende a reagir com uma emoção bem específica: a frustração.

Esse sentimento é uma mistura terrível de profunda insatisfação com impotência e raiva. O trabalho é uma das áreas onde esse mix de sensações é mais vivenciado. A frustração leva o profissional a se sentir bloqueado em seu agir e, mesmo consciente que não está conquistando o resultado, não identifica o que fazer para melhorar a situação e continua assim, insistindo em ações inadequadas.

Mas como sair desse impasse? Como fortalecer a inteligência emocional e o autoconhecimento para estimular a automotivação e a persistência diante das decepções? Como lidar com as frustrações sem se sentir inseguro para crescer e melhorar constantemente?

Não basta apenas talento ou competência, é importante que se tenha pleno domínio sobre os sentimentos e as emoções. Para isso, algumas considerações se tornam essenciais:
• Às vezes é preciso dar um passo para trás e olhar como um todo para a situação que nos cria frustração. Assim como ensina o princípio base de judô, do Mestre Kano, é necessário que o aluno recue quando for atacado pelo adversário, para depois atacar com a mesma força. Isto é, ceder inicialmente para atingir a vitória final.

• Utilizar o sentimento de frustração a seu favor. Os antigos sabiam usar a frustração para obter resultados extraordinários. Alexandre, o Grande, por exemplo, na guerra contra a Pérsia, mandou queimar os próprios navios, colocando seus soldados em uma situação de extrema impotência e raiva para que eles tivessem ainda mais garra e motivação para conquistar os navios inimigos, caso quisessem voltar para casa. Dessa forma, a vitória foi conquistada mesmo com um número menor de soldados.

• Como dizia o filósofo chinês, Sun Tzu, conhecido por sua obra A Arte da Guerra: “A um inimigo cercado deve-se deixar uma via de escape”, pois se o inimigo enxerga uma saída, ele se retira, mas se não tivesse a via de escape, segundo o filósofo, ele entraria em uma situação de profunda frustração e utilizaria todas as suas forças para se defender e combater ao extremo em busca da vitória.

• Manter o foco no que se deseja realizar e não no que se quer evitar. O resultado é fruto de onde você vai centralizar a atenção. Regue com sua concentração as flores do seu jardim e não as ervas daninhas dos pensamentos negativos. Cuide da sua atitude mental: foque seus pensamentos em direção às soluções positivas.

É possível encarar os momentos de frustração como aprendizado e desafio a ser superado, rompendo assim com a visão limitada da vida de erros e acertos. Com isso, podemos continuar no caminho da realização com maturidade e confiança para atingir os resultados escolhidos.

* Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos,  escritor e autor de livros .

 

Por Maria Luiza Blanques Petty de Siqueira*

Reprodução – Imagem Google

Reprodução – Imagem Google

A Páscoa está chegando e, nesta época, surge uma legítima preocupação com os excessos. A grande oferta de ovos de chocolate, embrulhados em atrativas embalagens e, muitas vezes, acompanhados de brindes, faz com que muitas crianças exagerem no consumo de chocolate e ganhem peso acima do esperado.
O chocolate contém grandes quantidades de gordura e açúcar e, portanto, é um alimento bastante calórico. Além disso, alguns deles têm, em sua composição, gordura hidrogenada, reconhecidamente relacionada ao aumento da fração prejudicial do colesterol (LDL – colesterol).
Apesar dessas características, é possível desfrutar da Páscoa sem prejuízos à saúde. Para isso, seguem algumas recomendações aos pais:

Foto de  Matheus Tagé DL

Foto de Matheus Tagé DL

- Presenteie seu filho com um ovo de Páscoa de tamanho pequeno. Lembre- se: o tamanho do ovo não é diretamente proporcional ao amor pela criança. Comprar um ovo que tenha as características que a criança prefere (tipo de chocolate, personagem, bombom do recheio, etc.) fará com que ela se sinta suficientemente presenteada. 

- Converse com os familiares e amigos sobre os excessos. É bastante comum a criança ganhar um ovo de cada avô/avó, dos padrinhos, de amigos e de outras pessoas, fazendo com que ela tenha uma oferta muito grande de chocolate em casa e acabe consumindo exageradamente esse tipo de alimento.

- Caso a criança ganhe muitos ovos de Páscoa, converse com ela sobre a possibilidade de dar alguns a outras crianças ou procure congelar uma parte para que eles sejam consumidos ao longo dos próximos meses, até a data de vencimento do chocolate.

- Estabeleça limites para o consumo diário de chocolate. Um pedaço de mais ou menos 20g de ovo de Páscoa não recheado pode ser uma quantidade adequada de chocolate por dia.

- Oriente a criança a comer o pedaço de ovo de chocolate após as refeições principais ou nos momentos dos lanches e nunca enquanto estiver assistindo televisão ou usando o computador. Comer realizando outra atividade faz com que o indivíduo consuma o alimento rapidamente, sem prestar atenção nele, havendo necessidade de maiores quantidades para ficar satisfeito.

Apesar do excesso de oferta dos ovos de chocolate, a Páscoa pode ser uma boa oportunidade para a criança experimentar, ou comer mais uma vez, um delicioso bacalhau regado com azeite de oliva e acompanhado de legumes. Além de muito saborosos, são alimentos que contribuem para a saúde.

* Nutricionista Supervisora do Ambulatório de Obesidade da Disciplina de Nutrologia do Departamento de Pediatria da UNIFESP, Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UNIFESP, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UNIFESP, Membro do GENTA (Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares)

e seus significados:

enviado por Clene Salles

Imagem

1 – “Certo”: Esta é a palavra que as mulheres usam para encerrar uma discussão quando elas estão certas e você precisa se calar.

2 - “5 minutos”: Se ela está se arrumando significa meia hora. “5 minutos” só são cinco minutos se esse for o prazo que ela te deu para ver o futebol antes de ajudar nas tarefas domésticas.

3 – “Nada”: Esta é a calmaria antes da tempestade. Significa que ALGO está acontecendo e que você deve ficar atento. Discussões que começam em “Nada” normalmente terminam em “Certo”.

4 – “Você que sabe”: É um desafio, não uma permissão. Ela está te desafiando, e nessa hora você tem que saber o que ela quer… e não diga que também não sabe!

5 – Suspiro ALTO: Não é realmente uma palavra, é uma declaração não-verbal que frequentemente confunde os homens. Um suspiro alto significa que ela pensa que você é um idiota e que ela está imaginando porque ela está perdendo tempo parada ali discutindo com você sobre “Nada”.

6 – “Tudo bem”: Uma das mais perigosas expressões ditas por uma mulher. “Tudo bem” significa que ela quer pensar muito bem antes de decidir como e quando você vai pagar por sua mancada.

7 – “Obrigada”: Uma mulher está agradecendo, não questione, nem desmaie. Apenas diga “por nada”. (Uma colocação pessoal: é verdade, a menos que ela diga “MUITO obrigada” – isso é PURO SARCASMO e ela não está agradecendo por coisa nenhuma. Nesse caso, NÃO diga “por nada”. Isso apenas provocará o “Esquece”).

8 – “Esquece”: É uma mulher dizendo “FODA-SE!!”

9 – “Deixa pra lá, EU resolvo”: Outra expressão perigosa, significando que uma mulher disse várias vezes para um homem fazer algo, mas agora está fazendo ela mesma. Isso resultará no homem perguntando “o que aconteceu?”. Para a resposta da mulher, consulte o item 3.

10 – “Precisamos conversar!”: Fodeu!! Você está a 30 segundos de levar um pé na bunda.

11 – “Sabe, eu estive pensando…”: Esta expressão até parece inofensiva, mas usualmente precede os Quatro Cavaleiros do Apocalipse…

A prática de deixar ir

Publicado: 21/11/2013 por Andrew em Atualidades

ImagemSe há coisas que te fazem sofrer, você tem que saber como deixá-las ir. Felicidade pode ser obtida soltando, deixando ir, incluindo deixando ir suas idéias sobre felicidade. Você imagina que certas condições são necessárias para sua felicidade, mas olhando profundamente se revelará para você que essas noções são exatamente as coisas que ficam no caminho da felicidade e te fazem sofrer.

Um dia o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um Compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? Eu tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.

O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder”.

Eu gostaria de dizer a mesma coisa para vocês. Meus amigos, se vocês têm vacas, têm que identificá-las. Você pensa que elas são essenciais para sua felicidade, mas se você praticar olhar em profundidade, entenderá que são estas mesmas vacas que trazem sua infelicidade. O segredo da felicidade é ser capaz de deixar ir suas vacas, soltá-las. Você deveria chamar suas vacas por seus verdadeiros nomes.

Eu te garanto que quando você deixar suas vacas ir embora, você experimentará felicidade porque quanto mais liberdade você tem, mais felicidade você terá. O Buda nos ensinou que alegria e prazer são baseados na desistência, em deixar ir. “Eu estou deixando ir” é uma prática poderosa. Você é capaz de deixar as coisas irem? Se não for, seu sofrimento continuará.

Você deve ter a coragem de praticar o “deixar ir”, soltar. Você precisa desenvolver um novo hábito – o hábito de concretizar a liberdade. Você precisa identificar suas vacas. Você precisa considerá-las como um vínculo com a escravidão. Você precisa aprender como o Buda e seus monges fizeram, a libertar suas vacas.  É a energia de plena atenção que te ajuda a identificar suas vacas e chamá-las por seus verdadeiros nomes.

Sorria, solte

Quando você tem uma idéia que te faz sofrer, deveria deixá-la ir, mesmo (ou talvez especialmente) se é uma idéia sobre sua própria felicidade. Cada pessoa e cada nação têm uma idéia de felicidade. Em alguns países, pessoas pensam que uma ideologia em particular deve ser seguida para trazer felicidade ao país e ao seu povo. Eles querem que todos aprovem a sua idéia de felicidade e acreditam que os que não estão a favor deveriam ser presos ou colocados em campos de concentração. É possível manter tal pensamento por cinqüenta ou sessenta anos, e neste tempo criar uma tragédia enorme, apenas por causa desta idéia de felicidade.

Talvez você também seja prisioneiro de sua própria noção de felicidade. Há milhares de caminhos que levam à felicidade, mas você aceita somente um. Não considerou outros caminhos porque pensa que o seu é o único. Você seguiu este caminho com toda a sua força e, portanto os outros caminhos, os milhares de outros caminhos permaneceram fechados para você.

Deveríamos ser livres para experimentar a felicidade que apenas vem a nós sem ter que procurá-la. Se você é uma pessoa livre, a felicidade pode vir para você num estalo. Olhe para a lua. Ela viaja no céu completamente livre, e esta liberdade produz beleza e felicidade. Eu estou convencido que a felicidade não é possível a menos que seja baseada na liberdade. Se você é uma mulher livre, se você é um homem livre, desfrutará de felicidade. Mas se é um escravo, mesmo que apenas escravo de uma idéia, a felicidade será muito difícil de atingir. É por isso que você deveria cultivar a liberdade, incluindo a liberdade de seus próprios conceitos e idéias. Deixe suas idéias irem, mesmo que não seja fácil.

Conflitos e sofrimento são comumente causados por uma pessoa que não quer liberar seus conceitos e idéias sobre algo. Em uma relação entre pai e filho, por exemplo, ou entre parceiros, isto acontece o tempo todo. É importante treinar a si mesmo para deixar ir suas idéias sobre as coisas. Liberdade é cultivada pela prática de deixar ir. Se você olhar profundamente, poderá ver que está se segurando a um conceito que está te fazendo sofrer um bocado. Você é inteligente o suficiente, você é livre o suficiente para desistir dessa idéia?

Estou me tornando calmo

Estou deixando ir

Tendo deixado ir, a vitória é minha

Eu sorrio

Eu sou livre

O Dharma que o Buda apresentou é radical. Contém medidas radicais para cura, para transformação da situação atual As pessoas se tornam monges e monjas porque entendem que a liberdade é preciosa. O Buda não precisava de uma conta no banco ou uma casa. No tempo dele, as posses de um monge ou monja eram limitadas aos robes que vestiam e uma tigela para coletar comida. Liberdade é muito importante. Você não deveria sacrificar ela por nada, porque sem liberdade não há felicidade.

(Do livro “You are here”, de Thich Nhat Hanh - Tradução para o português: leonardo Dobbin)

Fonte: Viver Consciente 

ImagemVocê tem um animalzinho de estimação em casa? Gato, cachorro, pássaro, tartaruga? Todos eles são uma fofura, vamos combinar. Mas, o que você pode não ter conhecimento é de que a companhia desses animais traz diversos benefícios à saúde, e isso já é comprovado cientificamente.

A Associação Americana do Coração afirma que ter um animal reduz o risco de doenças cardíacas. Testes mostraram que uma pessoa que sai para passear com seu cachorro, por exemplo, cumpre 54% dos níveis recomendados de exercícios diários, favorecendo o funcionamento do sistema cardiovascular. Especialistas recomendam que as pessoas caminhem com seus animais no mínimo de 150 minutos por semana. A atividade permite também maior disposição no seu dia a dia. Outros estudos esclarecem que acariciar um animal reduz os níveis de estresse. Isso porque, ao passar a mão no animal, nosso organismo libera oxitocina, um hormônio relacionado ao vínculo emocional. Esse processo gera uma sensação de calma e bem-estar.

Enquetes revelaram que quem convive com um animal tem mais disposição, e 82% das pessoas entrevistadas declararam que seu cão ou gato as faz sentir melhor quando estão tristes. Quando brincamos com os animais, os níveis de serotonina e dopamina aumentam, enquanto os de cortisol diminuem, segundo um estudo publicado no British Medical Journal. No caso das crianças, os resultados também são muito interessantes. Os pequenos que convivem com os animais têm menos chance de desenvolver alergias e/ou asma, já que possuem um sistema imunológico mais forte.

De acordo com outros estudos, animais podem ensinar e orientar as crianças que sofrem de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), ao criar uma rotina de atividades diárias. No  geral, a ciência comprova que as pessoas que têm bichos vivem uma vida mais saudável, longa e feliz.

Se você ainda não tem um animalzinho, que tal adotar um? Existem muitos abrigos, em diversas cidades, necessitando de possíveis donos para essas fofuras que nos fazem tão bem.

Fonte: Animal Planet

A importância de imagens e informações coletadas na internet na decisão do destino de viagem
 35AC856AB081A4D347F4EB5B1FCE4A internet se tornou a principal fonte de informações para 1,87 milhão de turistas estrangeiros que vieram ao Brasil no ano passado. Os dados são do estudo da Demanda Turística Internacional 2012, realizado pelo Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Na segunda posição, como fonte de informação, estão amigos e parentes, com 1,45 milhão de indicações.“O estudo mostra que as pessoas têm recorrido a novas fontes de informação. Os representantes dos destinos turísticos devem estar atentos à importância da rede na escolha do passeio de férias”, disse o secretário Nacional de Políticas de Turismo, Vinicius Lummertz.
Na internet, as pessoas são influenciadas não apenas por informações de blogs e sites especializados em viagens, como também por imagens, boa parte delas publicadas em redes sociais. Com o objetivo de ajudar na escolha do destino turístico, o Ministério do Turismo mantem um perfil no Instagram, onde os próprios usuários marcam suas fotos com a inscrição (hashtag #MTur). As imagens ficam disponíveis para todos os interessados. O perfil já tem 4.715 seguidores e mais de 20 mil fotos marcadas, entre elas, imagens de destinos conhecidos, por outros ângulos, e de destinos ainda pouco explorados pelos turistas.
Em uma pesquisa recente feita pelo Facebook, a maioria dos usuários (52%) disseram escolher o destino de viagem influenciados por fotos de amigos. Segundo o diretor de negócios – viagens e turismo do Facebook, João Carlos Pastore, o índice é bastante relevante.
O estudante Pedro Henrique Cunha, de 21 anos, foi conhecer a Chapada dos Veadeiros no feriado de 12 de outubro, inspirado em fotos de amigos que via no Facebook. “Eu via as imagens e minha curiosidade aguçava”, contou. O próximo passeio, também inspirado nas fotografias de amigos das redes sociais, será para a Chapada Diamantina, na Bahia.

Fonte: Maxpressnet